Parlez vous français?

Parlez vous français?
Do you speach english?
Hablas español?
Cool dude!

E bom sentir que se é um cidadão do mundo. (mesmo utilizando a língua de Camões!). E curioso descobrir imbecis que acham outras línguas que não a da sua pátria, para escreverem ou comporem músicas. O português é uma língua inteligente mas não tão melodiosa como o espanhol ou inglês. Mas isso não justifica que uma cambada de ignorantes prefira utilizar o inglês. Mesmo que o seu vocabulário se resuma a 250 palavras e tenham uma pronunciação que até nuestros hermanos acham má…

Graiffiti

Escrever em graffiti na minha PALM é uma experiência frustrante, mas é um solução de compromiço que me permite tomar anotações e preparar posts quando estou off-line. Até já coloco os tags de HTML! Em breve vou dgminar a arte do ponteiro para escrever num PDA. (logo ue me habitue a escrever o “V” da direita para a esquerda, senão sai U

tempo

Este fim-de-semana deverá ser menos intenso (pelo menos assim o espero!).
Na semana passada não consegui falar com o meu mano madeirense que deve mais uma vez ter deitado fora o seu telemóvel por falta de crédito (e lá vai o 4°). Não lhe consegui dar os parabéns por isso!
J. decidiu rapar o cabelo e agora queixa que no nosso país provinciano o tomem por neo-fascista. M. jogou vampires comigo enquanto D. e N. não comprcendiam patavina daquilo. X. estava contente e com outra cara mas nâo me ligou muito. K. sorridente mas não troppo , a mana só esteve comigo um nikito e A. estava irreconhecivel de tão calmo que estava.
Mas só quero tempo…TEMPO … TEMPO tempo

noite mágica

A vida guarda supressas únicas que ocorre quando menos esperamos. Voltar a rever o meu primo após tantos anos seria sempre uma noite agradável. Nunca imaginei que ele tivesse seguido o seu sonho de ser surfista e tivesse tido aulas no Guincho!
E eis assim que vou parar com Jean mais a sua encantadora namoradita aí uns 10 anos mais nova e a amiga com nomes acabados em “ie” a um churrasco na Quinta da Marinha.
Na tal casa de luxo tive a companhia de:

  • stori Alex, um loiro australiano que nos convidou
  • a sua bela ex uma peruana de um gajo se babar todo estilo Pocahontas;
  • duas italianas ßem simpáticas;
  • John um inglês muito castiço (filho de portuguesa que por sua vez era filha de Irlandeses) ás do bodyboard;
  • Peter o skateboarder da Dinamarca;
  • 2 holandeses muito semelhantes ao deus Thor com areia nos miolos;
  • Matilda de 3 anos e os seus respectivos pais da Escócia;
  • uma portuguesa de nome Marta que destoava como é habito nas lusitanas e que estava mortinha por ser comida por alguém que fosse loiro;

Alex já passou
de 20 e muitos mas parece que tem 18, com um trato com muita pinta, sempre descalço licenciado em surfismo e MBA em sedução do sexo fraco. Viveu em França, Havaí e Peru e escolheu a linha para viver. Disse-me algo de muito interessante:
LIFE IS ABOUT THE RIGTH TIMMING depois de termos deitado abaixo 64 latas de cerveja.
HANG LOOSE MAN !!!

A vida num aquário

Manter um weblog é qratificante e ajuda-nos a partilhar parte das nossas vivências com os outros. Mas este formato de criar e manter um diário pode-nos colocar num aquário moderno em que quem está de fora facilmente não vê a vida do peixinho tal qual ela é ou então julga que que lê é o retrato fiel de tudo o que o ‘douradinho‘ andou a aprontar. Sentir que as pessoas, amigos ou conhecidos, e até um ou outro indesejavel acredita que os postes são tudo aquilo que somos ou por que passamos acaba por ser bastante divertido. Mas não há bela sem senão: algumas pessoas pelas quais nutrimos carinho podem não perceber, assumir retratos deturpados ou acontecimentos ambiguos, trocando a nossa realidade e ficção ou simplesmente não entendendo.
Logo eu que uso um texto muito claro e lúcido

Viajar é já uma constante

Viajar é já uma constante que se me está a entranhar no sangue. Como eu e M. brincamos, somos já dois Lellos – (para ser politicamente incorrecto). Ora quando fazia a minha pendolar das 8 às 11 de Sexta eis que em terras dos ovos moles vejo na estação um outro sósia – que vem assim juntar-se à coleção. Senti como ele atónito um tremendo arrepio na espinha…
Já na terra dos coffe shops no país das tulipas vi pedalando a minha primeira (e última espero) versão não latina. Para cúmulo esta 2@ versão made in Portugal pareceu-me uma fotocópia retocada no cabelo e barba… A da Invicta ao menos era bem mais alto…
MAS PORQUE RAIOS TENHO TANTOS SÓSIAS?!?!?!?!?
Terei sido obra de uma experiência de clonagem dos anos 70?

Sede

Sexta é um reencontro com a adrenalina que faz com que a minha sede de viver leve-me a utilizar os 130 cavalos levados até às 3500 rotações, maltratando ao chicote toda a generosa manada naquelas estradas livres. Algo louco que não é natural em mim. As 48 horas que se seguem são retalhas pelas 8 almas mais importantes para mim, que estão longe da grande cidade sempre com um esforço abnegado, com o receio das perder e ao mesmo tempo com medo de me impor e ser inoportuno com as pequenas parcelas de tempo e disposição duvidosa que lhes reservei.

Viver na grande cidade é

Viver na grande cidade é um desafio banal, mas também pode ser uma aventura constante.

Fiz em 33 minutos a viagem a pé do emprego para casa e vi alguns aspectos da cidade que escapam nas toupeiras mecânicas que atravessam a cidade e vomitam multidões que se deslocam nas entranhas subterrâneas da grande cidade. Há pormenores que escapam ao olhar desantento, desde aquela portada ou portão de ferro forjado digno de
Gaudi
, à velhinha que todos os dias passeia o seu rafeiro transporcado pelo jardim.

quem se esqueceu de mim?

Fiquei só em casa ontem. É uma casa enorme com um corredor que corta todos os compartimetos. Estreito e alto digno de um verdadeiro filme B de terror, com a janelas a baterem e as portas a rangerem. Um mimo!

dia-a-dia

Morte ao estado, à policia, ao exercito, aos partidos, à releqião e ao capital!
VIVA O COMUNISMO LIBERATÓRIO!

IN FACHADA DO PRÉDIO DA FRENTE

ponto final

Espero colocar hoje finalmente um ponto final no Passado e resolver aquela pedra no sapato. É já com alguma indeferência que sinto as recordações mas de tempos a tempos ainda me ocorrem à memória esses ecos má memória.

Ontem o pessoal dos Jardins Suspensos (excepto Bob que cumpriu o seu dever e ficou a guardar o ninho) foi tomar um café com B. e C., exibindo o seu amor à velha camisola perante os seus ex-patrões. Só Ma.se recusou a usar tal indumentária por não ter calças a condizer (a máquina de lavar trapos nunca mais chega!!!). De qualquer forma os ex não acharam muita piada (que de facto era de um humor negro duvidosamente refinado).

K. faz anitos hoje. Parabénsssssssssss trenguinha!

Olá! Está aí alguém???

Há sempre dias loucos

Aterefados e estranhos. Sem energia mais entusiasmado… ou não? Não sei estou confuso
Pergunto-me se afinal tudo não passa de uma ilusão vinda dos sonhos tipicos de quem está cansado.

tempestade

Apesar do domingo ser chuvoso a sábado à noite foi inesquecível. Faz tempo que não fazia uma noitada com o recente ilustre dentista de Valongo, famoso por ser mulherengo e fazer muitas filhinhas. Afinal estávamos em forma fazendo lembrar os bons velhos tempos de long nights and fast girls. Mostramos estar ainda aí para as curvas apesar das exigências típicas de Caminha já obrigarem a um nível pouco próprio para a nossa idade. Está na altura de ter mais juízo!
Ego e algo mais massajado eis que chego a casa as 7 da matina num sol aborrecido de ferir os olhos, depois de galgar kilometros enquanto o diabo esfrega um olho.

Exausto contemplo um Inverno digno de um castigo divino por um sábado bem passado – um domingo de tempestade. ò tempora , ò mores.

Na semana passada sofri algumas bofetadas da vida e a véspera de feriado à noite salvou-me repondo a minha perspectiva da vivência que levo na grande cidade. As aparências iludem e essa é uma das grandes constantes da vida. Felizmente há uma coisa chamada destino que sempre nos surpreende e contra a qual nunca valeu a pena lutar. Apenas navegar à vista mas nunca esquecendo que por muito contraditório que pareça – o destino somos nós que o fazemos… Psicótico não? Bom a vida não é “bem preto no branco”. Está cheia de tons cinza…

J., M. e o seu primo tiveram umas férias galegas embora chuvosas. Mesmo assim senti inveja por aqueles tempos de lazer, na borga de anos anteriores.

Vi de novo minha velha amiga colorida dos Verões de praia. Está diferente e muito carente… Mais mulher e mais serena. Conversamos um bom par de horas e quase caía em tentação graças aos seus dotes. Prefiro para já uma amizade bem a preto e branco pois os problemas que me trouxe no passado foram um osso duro de roer. Só de lembrar até me faz dores de cabeça. Isso deixou-me receoso, e felizmente fugi para a tal noite lá do norte que se vem tornando hábito de ser cheia de surpresas. Algumas boas como ontem e algumas más…

preguiça

Ando sem tempo. É Verão e estou muito aterefado. Dentro em breve com ligação a partir de casa pode ser que seja mais simples …

linha do Estoril

O feriado começou com uma enorme ressaca como seria de esperar. Visitei a minha tia e a minha avó num almoço ajantarado que me empantorrou.

Foi um dia importante com um passeio pela linha ao entardecer que me recarregou a alma.