uma tarde chuvosa de Outono

Um email que reli passado um tanto tempo:

“o mestre é quem quiseres que seja, a fonte espíritual que te acompanha, que te segue ou que te inspira, podes sê-lo tu inclusive; mais, é conveniente que assim seja, para não seres escravo de ninguém, como aqueles que veneram criaturas invísiveis e se maltratam a si e aos outros em nome delas. Acredito naquilo que vejo e nada
mais, sou forte e nada temo, aliás, lanço o desafio ao poder desses seres ignotos, pois nada mais são do que metáforas.

Não nego, contudo, gostar de uma atmosfera ligada à referenciada arte do mal, o que compreende certas personagens míticas, cenários maravilhosos e artes aprimoradas posteriormente pelo homem, particularmente em certos tipos de música… um bom cemitério, uma tarde chuvosa de outono, o cantar dos corvos numa manhã de nevoeiro, os morcegos numa noite de luar, o uivar dos lobos pela madrugada, enfim, as maravilhas naturais conotadas ao oculto e convencionalmente discriminadas pelas maiorias, excepto por uma classe de elite quase perfeita, na qual me inscrevo.

Não sou fundamentalista, sei reconhecer o que não passa de uma arte, recusar a prática do mal, não sou influenciável por nada e respeito a todos sem excepção, apoiando inclusive os mais desprotegidos das garras da hipocrisia social.”

IN caixa de emails 2000 escrito por B.S.L.

ÚLTIMAS IMPRESSÕES

As aparências iludem. É um facto indesmentivel. Algo que o meu avô me disse seriamente, apesar da sua juventude eterna e alegre já nos seus irrequietos 70 e tal anos.

Era um lobo do mar encalhado em terra depois da Marinha o ter dispensado – algo de que nunca se conformou, e que um dia me disse num tom sério que:

o homem é o único animal da criação que acredita em ilusões e que se basta com as aparências.

chove

É um dia triste e patético. Estou aborrecido até dizer basta.

J. e M. telefonaram ontem como se antevessem que eu estava a fazer uma atravessia do deserto. J. faz um drama pior que eu, mas eu sei como ligar com isso.

Mesmo assim quero que se faça Luz neste ceu cinza

Fotos

Nos últimos tempos apesar do corre-corre tenho observado a realidade com um olhar esfomeado, notando pormenores do quotidiano verdadeiramente irrealistas e ilusórios. A realidade é feita de conjuntos de sonhos irreais!

Quando era mais jovem sempre fui fascinado pelo mundo da fotografia, na tentativa de captar aqueles momentos intemporais. Na última década perdi esse gosto, talvez por descuido ou comodismo.

Com o gosto de F. e da maninha
da fotografia , creio que senti novamente o bichinho e as saudades de apontar uma objectiva como um caçador furtivo.
Ainda me vou por em despesas…

You’ve become so caught

You’ve become so caught up in the race that you may have already forgotten why you’re running. Throw off the opportunist who is riding on your back. If you want to make it to the finish line in front of your competitors, you can’t afford to carry any extra weight. In fact, it might be a good idea for you to stop for breath and let someone else carry the torch for a while, Pisces. You’re the only one who knows how much of this you can endure

roscopes

México

México

O fim de semana decorreu algo inesperado e acabei por me cansar em demasia.

Como M. estava a recuperar de uma gripe malvada, decidi dar uma saltada até sua casa e acabamos a sexta jogando cartas. Acho que ele já me pegou o bichinho…
E vai daí Sábado foi inicialmente de descanso e tédio de recuperação.

N. convocou-me ao fim da tarde para um campanha de terror que envolvia um restaurante mexicano… Escusado será dizer que meteu em seguida uma ida até ao congestionado cerveja viva, sempre com a companhia da Ju. , da adorável I. e da loirinha Jo. que estavam bem simpáticas.

Sou um pecador pois acabei por não resistir e apanhei boleia da Jo. e da I. até ao talho onde ficamos até horas proibitivas. Claro que Domingo tornou-se uma aventura no sofá tentando recuperar.

E para variar esta segunda vai ser a mais complicada de todas…