Paixão A Paixão é lixada!

Paixão

A Paixão é lixada!
É daquelas coisas lixantes pela presença, mas também pela ausência.
Fisica ou virtual!!
Mas não há vida sem paixão.
Daí que percorramos sempre caminhos e ultrapassemos falésias e sonhemos alto e voemos ainda mais, apaixonados, buscando mais e mais, paixão furacão de sentimentos e sentimentos, sensações sem igual. Na borda de um copo, dependurado nos lábios de Afrodite.

Sofro de “jet-lag” gripal, antes fosse do outro, façam figas por mim enquanto calcorreio o meu longo caminho até casa.
Apaixonado, SEMPRE!

“jet-lag”

Ainda sinto na pele o calor do clima e gosto das espetadas em loureiro e da espada. Mas mais que isso sinto na alma uma amizade profunda que a distância e a ausência não conseguiram anular.

Escusado será dizer que como nos bons velhos tempos, enquanto os ossos aguentaram ouve folia e noites sem par e claro as calmarias resultantes de compensação. Felizmente o velhito 205 CTI cabriolet mostrou os 130 cavalos (?) nas subidas até o Pico Ruivo e na Queimada junto a Santana onde foi até ao isolado mas único e de beleza indescritíveis Caldeirão Verde através de uma levada de 4 duras horas para percorrer 13 km. Mas valeu a pena! E voltaria a percorrer aquelas falésias 100 vezes!

Agora na República, longe da RAM e da CMF ando sem vontade para estar online. E vivam as bananas e os furados e as chavelhas … e claro as ponchas de laranja também!

Retornado

Retornado, um termo com carga pesada, uma herança de impérios que já não o eram, de pesadelos ainda não findos.
Retornado, voltou o menino, mas anda na mesma ausente! A cabeça nas nuvens e o corpinho ainda dormente. Um efeito “jet-lag” à moda da Madeira!
Nós por cá os restantes migrados buscamos que buscamos algo talvez só encontrável em férias e nas ilhas… Quem sabe?
O menino talvez o saiba!?

Fériaaaaaaas

Ainda vai a meio e já tenho pena de deixar a pérola. É certo que com alguns exageros alternados com prática de exercício, paisagens deslumbrantes, comezainas e novos amigos e amigas.

O Pico do Arieiro era o alvo de hoje após uma subida pelo Poiso, mas a neblina não permitiu ver nada. Mesmo assim ontem foi de matar qualquer criancinha com a malukeira das Vespas depois de uma subida ao molhe mais a chavelha loira que me partiu todo. oh oh ! O Pai Natal chegou mais cedo… tenho que me deixar destas coisas 🙂

Vou agora comer algo e alá que a noite é uma criança. E depois amanhã acorda-se cedo que isto de dormir…

you´ll sleep when you´re dead!

.

E venha a levada ! ! !
e tenho que comprar botas para isso!
Anima DomQ

taras…há muitas, mas são perdidas

taras…há muitas, mas são perdidas

Faz um tempo lindo apesar da chuva intensa. Mas creio que as melhores loiras da madeira têm mesmo tara perdida e os 5 minutos que tenho disponíveis neste momento não davam para descrever as aventuras de cubano junto com os e as nativas cá do Jardim.

Sexta foi um estágio intenso no Bar do Ribeiinho em que o meu mano me ensinou as tácticas de comunicação básicas. Também conhecido por Está-li-ben (leia-se taliban mas que em Madeirense quer dizer que ele está ali bem).

O casino tem os seus encantos (devo andar mesmo com azar ao amor para sacar 15 mokas) . E venha o formula 1 , o Capacabana, as Vespas. Mas mais que tudo as essenciais ponchas de laranja da Ribeira Brava.

Ora é mais espetadas ou é mais 8 horas de estagio de Baco. Sábado fez lembrar altura e grande nível com direito a cicerone de respeito e a perder o tino. Venham agora as Brisas e vamos a S.Vicente nos furados e uma UMAS OVAS de Espada à maneira. Nada de omeletas por tanto.

Taras?!!??

Taras?!!??

O “menino” viajou, em busca de algo, alguém, da verdade que fecha em sí mesmo.
Só encontramos as respostas que levamos à partida especialmente, quando partimos para uma ilha!

Espermos que seja essa a verdade.
E que não ganhe mais taras, dada a reputação da dita cuja ilha!

Chegou.
Bem!
Arregaçou as mangas e fez-se ao caminho.
O Círculo da ilha.
O Círculo em sí mesmo.

Fintando precalços…
E as TARAS??!!!

Madeira

Madeira aqui vou eu

Ainda a recuperar depois da galega me ter topado como porteiro eis que estou prestes a entrar numa nova aventura, indo até à ilha do Alberto João para visitar meu mano durante um dez dias. Creio que as férias serão uma lufada de ar na minha mente e um recarregar de baterias para as novas jornadas.

Ontem foi um dia em cheio que envolveu uma noitada com P. numa excursão a uma dessas tão badaladas noites da mulher. Ao fim ao cabo só se vêm bandidos e pistoleiras e umas tantas crianças à mistura, mas a companhia foi excelente, ao nível dos bons velhos tempos. Pior são os danos na carteira, nos pulmões e no figado.

M. está desencontrado. Não dá sinais de vida. Que se passa? 🙂 Será uma nova aquisição?

A RISA!

A RISA!

Ainda me estou a rir!

O riso é sempre o melhor remédio.
E a reciclagem de antigos ditos e antigos feitos além de histórica, fará sempre história!
Sim o Berdadeiro FDS!
E as Berdadeiras hermanitas das que ajoelham não só para rezar.

O trascendente dos trascendntes pensamentos, entrou em órbita, qual 2001, o primeiro contacto a caminho de 2010, o ano de todas as revelações… Nas asas de una paloma (arght!) blanca (arfghththth!)….

O grelo de ouro

Faz tempo que não me ria tanto, graças ao bom humor de um animado grupo de solteirões à solta buscando caça grossa nas exóticas terras de nuestros hermanos.
M. desta vez ganhou o grelo de ouro com uma nova abordagem de engate indo directo ao assunto, reciclando uma deixa muito em voga no tempo de Ramses II.
Rapidamente “una paloma blanca” se tornou numa “pomba de infra-vermelhos mutante de marte” fizerem parte da boa disposição do dia da ressaca, em que o crescendo de pensamentos intelectuais atingiu o clímax.