A pequena fuga

Foi um fim de semana algo diferente em que eu alternei entre a introspecção e a total futilidade superficial. Por vezes temos que nos dar esse direito de nos alienarmos como muito bem entendamos.

O clima prega-nos muitas vezes partidas e faz-nos sentir demasiadamente miudinhos, face às forças naturais. Tinha planeado um fim-de-semana para voar, mas as “condições climatéricas” não eram as ideais para façanhas que envolvem alguns riscos ligados com a geografia e clima. Por isso não fui um anjo sem asas, apesar de necessitar urgentemente de me escapar para as altitudes.

Exactamente pela minha necessidade de um grande fuga, de uma cândida alienação, acabei por fazer uma caminhada menos benéfica para a minha saúde, assim como para a minha carteira. Mergulhei num cenário de total degradação noctívaga, com direito a fazer duas das noites mais extravagantes desde que me conheço, e estamos a falar de quem já cometeu uma considerável série de atentados à moral e pudor, sendo procurado, vivo ou morto pela Brigada dos Bons Costumes. Isto de percorrer as três capelinhas é criminoso!

Mas nesta descompressão emocional, tão necessária, também interiorizei que os contra-sensos da minha vida terão aumentado nos últimos anos. Não é um facto novo que o desprendimento afectivo e emocional aumentam, a medida que vamos conhecendo mais pessoas.
Fazendo às contas, a quantidade de seres humanos que se cruzaram na minha intimidade, cresceu exponencialmente, fruto de algum apetência de sedução, alguma necessidade inata de convívio ou afins. Mas isso não me ofereceu o seu propósito, mas sim tem cavado algumas fronteiras de solidão a que ciclicamente não consigo fugir. É como se a quantidade reduzisse drasticamente a qualidade, e pior me fizesse criar alguma sofreguidão a lidar com as mais variadas situações.
Espero que esta sensação seja meramente passageira, pois é desconfortável estar a sentir-me só, quando estou rodeado e acompanhado por uma multidão. Esta falta de lógica e luz, têm que ser passageiras.

Resta-me fazer um bocado das tripas, coração, e rezar que esta postura Titanic não meta nenhum Iceberg.

Canção : “Deixa-me rir”

Deixa-me rir
Essa história não é tua
Falas da festa do sol e do prazer
Mas nunca aceitaste o convite
Tens medo de te dar
E não é teu o que queres vender, não

Deixa-me rir
Tu nunca lambeste uma lágrima
Desconheces os cambiantes do seu sabor
Nunca seguiste a sua pista
Do regaço à nascente
Não me venhas falar de amor

Pois é, pois é
Há quem viva escondido a vida inteira
Domingo sabe de cor
O que vai dizer segunda-feira

Deixa-me rir
Nunca auscultaste esse engenho
De que falas com tanto apreço
Esse curioso alambique
Onde são destilados
Noite e dia o choro e o riso

Deixa-me rir
Ou então deixa-me entrar em ti
Ser o teu mestre só por um instante
Iluminar o teu refúgio
Aquecer-te essas mãos
Rasgar-te a máscara sufocante

Pois é, pois é
Há quem viva escondido a vida inteira
Domingo sabe de cor
O que vai dizer segunda-feira

1985 Deixa-me Rir – Jorge Palma

Pitadas de new age

Sem me aperceber, há pequenas coisas que se modificam na nossa maneira de ser, após um pouco de consciencialização. Não se trata de algo que lemos e nos altera a filosofia de vida, nem uma experiência mística que nos renova de fé. É antes uma caminhada lenta, uma absorção continuada de uma aprendizagem crescente.

Creio que sou um autodidacta cauteloso, pronto a refutar certezas e a ter um espirito aberto a novos conceitos, buscando uma iluminação não dogmática. Não que caia nas escusadas asneiras da espiritualidade feita à medida, a gosto do freguês, nem partindo do nada existencialista até chegar ao crente fanático.

A vida é talvez demasiado efémera, como um par de minutos para que nos possamos dar conta da sua razão, desaproveitando muitas vezes o seu desfrutar por razões de temores ou ilusões. Por isso à medida que cresço vou-me desabituando sem menor esforço de pequenas facetas menores da existência. Creio que dou de facto menos valor aos bens matérias, do que dava há uns anos atrás. Assim como as crianças vibram de ansiedade por um novo brinquedo, tal gosto diminui à medida que crescem, e torna-se algo menos interessante ou crucial para a sua felicidade. Se pensarmos bem, nestes dois minutos que nos são atribuídos, deve dar alguns gosto desfrutar de uns brinquedos bonitos, como casa, carro e todas essas coisinhas, mas nada disso nos acompanha para lá da vida, nem é interiorizado por nós. Apenas nós podem dar algum conforto aparente, mas não nos pode realizar interiormente apesar da nossa sociedade estar construída ao redor deste conceito de propriedade e posse.
Continuar a ler “Pitadas de new age”

A última hora

uma obra prima A Última Hora de Spike Lee, foi um filme que me surpreendeu muito. Estava habituado a ver Spike Lee como um provocador com uma mensagem algo gasta, mais eis que me rendi a uma obra-prima.
Transcendendo a questão racial que sempre foi um denominador comum, Spike filma um irlandês nova-iorquino, talvez uma das melhores interpretações de Edward Norton só comparaveis com American History X e Fight Club. Mas indiscutível é a genialidade da narração de um enredo que nos faz realmente pensar sobre algo importante da nossa vida: a consequência dos nossos actos e o resultado das nossas pequenas opções da vida.

Para lá de uma fotografia de uma beleza intrínseca de encher o olho e de uma interpretação em que o elenco se mostra irrepreensível, senão mesmo iluminado, Spike Lee mostra-nos um homem que está perante a inevitabilidade de ser chamado a pagar pelos seus erros, devido à teia em que se viu envolvido por leviandade, no tráfico de drogas. A Última Hora não cai na lamechice moralista, apenas nos reporta para o drama humano da verdade dos nossos os actos e da coragem e responsabilidade de enfrentar as suas consequências e como isso afecta aqueles à nossa volta. O que poderia à principio parecer mais um drama que se passa em Nova Iorque é de facto um questionar à nossa sociedade consumista e existencialista que se coíbe de preocupações éticas.

Uma das cenas mais marcantes é a da revolta na sequência em que a personagem principal se encara no espelho, e mostra a sua violência sobre toda a contaminação que a grande metrópole está exposta, como se fosse essa a origem do mal citadino, e por consequência, responsavel da queda em desgraça do (anti?)-herói. Tal revolta, exonera-se aquando da caminhada final rumo à prisão ou fuga, em que a cidade se revela, não como mal, ou influencia negativa, mas sim como um portal de esperança, numa visão realmente bela e emotiva transposta no sorriso das pessoas.

Spike Lee atingiu a maioridade como cineasta e revela um profundo conhecimento do vivência do homem como ser humano e social sem fazer juízos de valor ao enredo que nos transporta. A última hora é um momento de viragem na vida de um homem em que a decisão é deixada em aberto: acarretar com as consequências ou fugir para começar tudo de novo.

Tal como a narrativa esse excelente filme, a vida coloca-nos em situações que temos que tomar este tipo de opções difíceis: ir de encontro à nossas responsabilidade e pagando a pena para atingir a nossa remissão, ou fugir e tentar apagar a nossa mácula e começar do nada.

Casas e casos festivos

Fugindo ao calor escapei-me para a praia, tentando uma noite sossegada de sono na passada sexta-feira. Orfeu foi bastante antipático e presenteou-me com uma praga de mosquitos que me deixaram acordado uma boa parte da noite e madrugada. Desesperante sentir que naquele momento, eu de bom grado, prepararia uma solução final para todo o género de mosquitos sem o menor remorso.
Exausto adormeci apenas de manhã e acabei por perder umas horas de praia retemperadoras. Era dia de ir até Miguel Bombarda, encontrar-me com Ma., que já não via há muito e comprar uns CDs no sitio do costume.

Aproveitei e finalmente fui conhecer a Casa da Música. Fiquei quase que orgulhoso, com o edifício que de facto é inspirador e motivante no sentido de trazer à minha cidade alguns artistas musicais atraídos pela arquitectura. Espero que sirva de um polo cultural agregador, que tanto faz falta à cidade.
Continuar a ler “Casas e casos festivos”

Um cérebro que se queima

Por vezes é necessário parar para meditar sobre a nossa vida. Desde que me conheço fui capaz de analisar, mais tarde ou mais cedo, os passos que tenho dado e que necessito de dar na jornada da existência.

Durante estes últimos dias estou repleto de uma complexidade de emoções, confusões, dúvidas e receios. Sinto que os meus neurónios tropeçam e cambaleiam, a passo com um cérebro extenuado de perseguir uma solução inexistente.
A Vida não obedece a equações matemáticas nem pode ser objecto de causalidade. Um acto não implica necessariamente um acontecimento, uma causa nem sempre dá origem a um efeito. As experiências laboratoriais não serão reproduzidas fora de ambientes controlados, nem a distribuição da probabilidade de um acontecimento é consistente.
Por isso medimos a olho, seguimos instintos, e apoiamo-nos nas nossas experiências passadas para chegar decisões que necessitamos tomar. Não podemos seguir regras, formular hipóteses, extrapolar resultados.

Fermentado e fervendo, o meu cérebro está cansado de revolver toda uma série de encruzilhadas e questões com que me deperarei nas últimas semanas. Como já tem vindo a ser hábito ao longo dos últimos meses, a minha telenovela pessoal está num ponto de viragem do enredo com mais uma cambalhota alucinante. Mais uma vez sou o trapezista que se prepara para um triplo salto mortal invertido sem rede.

Por isso penso, intensamente peso os prós e contras, antecipo se a raínha vai tomar o bispo, ou se o cavalo vai atacar a torre. E se o meu peão defender antes o bispo? E se eu contra-atacar com o cavalo, ameaçando um xeque? Nunca existe a jogada perfeita, apenas a melhor jogada… ou a menos má.