Teoria do Búfalo

Foi sem dúvida um Sábado diferente. Ainda a ressabiar de uma noite agitadíssima, eis-me madrugador, com muitas horas de sono é dívida e neurónios ainda motivados a Gurosan, a tentar pedalar.

O que seria um fim-de-semana desportivo, tornou-se uma festa de encontro de novos amigos num local solarengo e místico, onde as ondas chocavam intensamente contra as rochas formando fogos de artificio de espuma. R. é um polo dinamizador, um carisma e encanto a que só se pode devolver genuína amizade. Assim como aos amigos que foram chegando ao longo da tarde dos mais variadas e longínquas origens. Subitamente tudo se tornou uma tarde de copofonia de loiras de esplanada… estilo Chopp.

A noite foi o reverso da medalha, em que os neurónios deram tilt apesar de estar com o irmanzito das ilhas a ver o nosso glorioso a portar-se miseravelmente. Depois de anoitecer tudo se tornou absurdamente mau!

Acho que a teoria do Búfalo, em que os neurónios mais fracos são abatidos primeiro, – neste caso através de uma analogia precária relativa à bebida – é mesmo uma piada de mau gosto. Nesta semana sinto que só os meus búfalos-neurónios mancos continuam a correr nas pradarias de uma mente incendiada. O resto da manada ou já tem as peles a secar ou pôs-se a monte

DJ Kitten revisitado

Eu sei que ondas revivalistas não surtem grande efeito. Nem efeito, nem boas experiências. Nem em termos musicais nem festivos é aconselhavel reviver o passado, por muito bom que esse fosse.

Tal não foi o caso de rever um muito velho e querido guru de noites musicadas e dançadas. Rei e senhor absoluto do electroclash, pioneiríssimo em Portugal desse estilo musical que tanto amei, (e julgo ainda amar), voltar a assistir a uma actuação do DJ Kitten era ao mesmo tempo uma obsessão e também um enorme receio. Temia não gostar, achar os ritmos e discos demasiado riscados, a peça demasiado previsivel.

Mais uma vez o club Gourmet salvou-me, num acto de total abnegação, o meu mano mais novo insistiu para uma noite de aposta em grande. Sempre como dois mosqueteiros, N. e eu seriamos um veteranos num Kitten na terra medieval. S. essa incrível amiga e cozinheira talentosa, deliciou-nos com um bacalhau irrepreensível acompanhado por várias botelhas de um surpreendente Quinta do Javali que fiquei extremamente fã. A companhia e camaradagem que valem 6 estrelas.

Chegados ao local de actuação na hora H, fomos presenteados como os únicos veteranos indefectíveis com uma sessão que merecia um selo de aprovação a ouro, mesmo passados todos estes anos. Um repertório totalmente novo, mas na mira do que sempre foi, um som brilhante de descontracção misturado com um delirio que faz dançar até os paralíticos. Valeu a pena ser um revivalista, pois fui agraciado com uma noite muito bem passada.

Pena ter sido curto e com a dosagem de Gin Tónico a carburar lá fomos dar os parabéns ao amigo João pela sua carreira. Em breve há mais. E o resto do noite foi muito zumbi

Jogador de Póquer

A maturidade não é um toque da varinha mágica da fada da meia-idade. É um estado de espírito que se constrói a pouco e pouco, baseado na nossa vivência, da nossa aprendizagem.

Quem no correu riscos e não se aventurou na grande maluqueira que é a vida, nunca pode ter uma consciência madura, pois não sentiu na pele os grandes sucessos ou as falhas miseráveis que o destino nos reserva.
Por certo nunca fui jogador. Por isso muitas das paradas altas que são precisas de por na mesa me falharam durante muito tempo. Demorei a entender a arte do bluff e de como pagar para ver, mesmo quando não se deveria ir a jogo. Faltou-me tentar limpar a mesa e sair depenado.

Mas como diz o ditado, antes tarde que nunca. E nos últimos anos acho que deixei nas mesas de Póquer muitos pares de calças. Mas é só assim se aprende a jogar.

Marionete

Se por um instante Deus se esquecesse
de que sou uma marioneta de trapo
e me oferecesse mais um pouco de vida,
não diria tudo o que penso,
mas pensaria tudo o que digo.
Daria valor às coisas,
não pelo que valem,
mas pelo que significam.
Dormiria pouco, sonharia mais,
entendo que por cada minuto que fechamos os olhos,
perdemos sessenta segundos de luz.
Andaria quando os outros param,
acordaria quando os outros dormem.
Ouviria quando os outros falam,
e como desfrutaria de um bom gelado de chocolate!

Se Deus me oferecesse um pouco de vida,
vestir-me-ia de forma simples,
deixando a descoberto, não apenas o meu corpo,
mas também a minha alma.

Meu Deus, se eu tivesse um coração,
escreveria o meu ódio sobre o gelo
e esperava que nascesse o sol.
Pintaria com um sonho de Van Gogh
sobre as estrelas de um poema de Benedetti,
e uma canção de Serrat seria a serenata que ofereceria à lua. Regaria as rosas com as minhas lágrimas
para sentir a dor dos seus espinhos
e o beijo encarnado das suas pétalas…

Meu Deus, se eu tivesse um pouco de vida…
Não deixaria passar um só dia
sem dizer às pessoas de quem gosto
que gosto delas.
Convenceria cada mulher ou homem
que é o meu favorito
e viveria apaixonado pelo amor.
Aos homens provar-lhes-ia
como estão equivocados
ao pensar que deixam de se apaixonar quando envelhecem,
sem saberem que envelhecem quando deixam de se apaixonar!
A uma criança, dar-lhe-ia asas,
mas teria que aprender a voar sozinha.
Aos velhos, ensinar-lhes-ia que a morte não chega com a velhice, mas sim com o esquecimento.

Tantas coisas aprendi com vocês, os homens…
Aprendi que todo o mundo quer viver em cima da montanha,
sem saber que a verdadeira felicidade
está na forma de subir a encosta.
Aprendi que quando um recém-nascido aperta
com a sua pequena mão, pela primeira vez, o dedo do seu pai,
o tem agarrado para sempre.
Aprendi que um homem só tem direito
a olhar outro de cima para baixo
quando vai ajudá-lo a levantar-se.
São tantas as coisas que pude aprender com vocês,
mas não me hão-de servir realmente de muito,
porque quando me guardarem dentro dessa maleta, infelizmente estarei a morrer…

Autor anónimo erradamente atribuido a GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ

Saltimbanco

Estar frenético e simultaneamente introspectivo é um dos estados de espírito que me ocorrem de tempos a tempos. A corrida de mata cavalos surge singularmente quando eu a menos espero, com fortes tendências para gravíssimas lesões.

Não esperava um fim-de-semana alucinante, mas a busca por um aconchego levou-me a iniciar uma ruta del bacalau nada própria para a minha sobejamente idade anciã. Durante a semana estive como um saltimbanco enlouquecido a tentar malabarismos complicados. Ter as três bolas no ar é já um karma que me persegue desde há anos e que tem resultado invariavelmente num fim de espectáculo lamentável com três bolas rolando no chão. Pior ainda, sentia um forte e inexplicável sentimento de que o céu me iria cair na cabeça – de algo realmente errado me escapava de controlo.

Nesta perspectiva desorientada nada melhor que mergulhar de cabeça e lançar-me as feras. Foi o que fiz, e pelo menos tive a fortuna do meu lado, acompanhado por companheiros de combate veteranos nas andanças boémias.

O núcleo duro club gourmet não me deixou saltar para o frenesim, e deu-me rapidamente um remédio pantagruélico eficaz. Quem diria que o Chease Cake de tangerina fosse semelhante ambrosia. A anestesia local foi administrada na perfeição com uma grande abundância de louras e ainda estávamos no Sábado de madrugada.

O dia seguinte não foi excepção, com requisições proibitivas, onde tive que optar por convites menos exigentes do ponto de vista emocional. Mas as surpresas ocorrem e vi-me levado para uma cave de boa memória, agora transformada em reduto gótico pós moderno, saído directamente do imaginário da raínha dos malditos. Não admira que o Imperador se oponha ao Louco, e o Diabo ande sempre perto da Roda da Fortuna.

Caminhada

Meditar no que nos enquadra a vida dá-nos sabedoria. Mas aquilo que me nos faz crescer é reconhecer os nossos erros e os aceitar como etapas de entendimento da vida e não como simples tropeções.

Sem errar torna-se difícil perceber o real valor de quando se tem sucesso. E disso ter consciência que como que uma criança que dá os primeiros passos anda tropegamente. Tropeça. Mas aos poucos vai ganhando o equilíbrio e caminha.