Ilustres

Correu tudo bem. A visita da olímpica amiga fez com que o fim-de-semana fosse especial e apesar do corre-corre. As desilusões dos antros noctívagos programados com antecedência e escolhidos a olho para dar um ar de bom cicerone mostraram-se bastante ridículas.
Felizmente a gastronomia quase estritamente vegetariana foi brilhante e o risco audaz da galinha Vindaloo deram um sabor especial a umas conversas muito interessantes e lúcidas.

Nada melhor que ter uma visita tão ilustre e nobre para alegrar os nossos dias com a sua simpatia, inteligência e cultura e estreitar laços de amizade além fronteiras.

Pelo meio deu para agraciara pequena L. e os seus babosos pais, no seu primeiro aniversário.
O tempo passa ligeiro…

A grande Diva

Como um penetra entre os rich and the richest, teve acesso a convites para o concerto da Mariza na Casa da Música. Nunca fui apreciador de fado até ter ouvido um par de temas da Mariza, em especial a Loucura e desde então tenho sido um fã incondicional desta Diva.

Mais de que uma fadista, Mariza é a personificação de um fado que saiu da saudade da Severa e da alçada da madrinha Amália. O facto da Mariza ter orgulhosamente sangue africano nota-se na forma como ela interpreta o Fado.

O concerto em sí parecia mais um encontro de privilegiados, do que propriamente um local em que os fãs vão ouvir a sua interprete favorita. Isto porque não creio que determinadas personalidades do mundo político e social (e até alguns cromos) se tivesses deslocado até à Casa da Música para o privilégio de ouvi-la cantar.

Vestida de um deslumbrante mas espartano vestido bordeux comprido, Mariza parecia ainda mas alta e esguia, e irrompe logo com a Loucura para iniciar. Logo nos seduz com o seu invulgar à vontade em palco e capacidade de falar com a plateia, até brincando com o demasiado formalismo das gravatas e casacos de vison que por ali abundam.

Além de uma capacidade vocal sem paralelo, Mariza não é só uma mera fadista, ela introduz novos temas e interpreta de forma magistral todos temas, dando-lhe sempre toda uma expressividade como só ela o consegue. Ela gesticula, exprime-se para alem da voz e até dança o Fado. Dá ao fado uma transcendência de música do mundo e não a música de um lugarejo chamado Lisboa. É uma música com raízes étnicas, mas é muito mais que isso. Os violinos, a viola de arco, o violoncelo e a percussão são introduzidas, fazendo todo o sentido numa fusão que é fado, mas é muito mais que fado.

As transparências revelam a sua origem moçambicana, o seu crescimento na Mouraria, o seu caminho no jazz e a redescoberta do Fado. É é pela sua voz que o Fado se moderniza e se torna algo que os meus ouvidos deliram.

Pena é que os aplausos tenham pecado por ser escaços. Deslumbrante quando Mariza interpretou Summer Times como ninguêm e quando evocando uma tasquinha fadista, cantou em plenos pulmões sem microfones e a sua voz autentica e cristalina acompanhada às guitarras se fez sentir em toda a sala 1. Um momento inesquecível. Genial, rendo-me a seus pés!

Ordinariamente Portugal

ORDINARIAMENTE todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o ESTADISTA. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidade e por interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?

Eça de Queiros, 1867 in ”O distrito de Évora”

Foi você que pediu um Valium?

Nada como um péssimo despertar, uma boa pitada de insónias recorrentes e um desejo profundo de deixar os pensamentos fluírem desordenados para limpar a mente. Suponho que os ciclos de vida quotidiana seguem a malfadada piada dos interruptores: umas vezes para cima, outras vezes para baixo. Para contrariar isso, desliga-se o telemóvel, presenteamo-nos com uma boa sessão de exercício masoquista, seguido de um bom banho de imersão, acende-se um incenso e metemos alguma música particularmente intimista no iPod. Melhor que uma dose cavalar de Valium!

Hoje de manhã saí muito cedo

Hoje de manhã saí muito cedo,
Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer…

Não sabia que caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.

Assim tem sido sempre a minha vida, e
Assim quero que possa ser sempre —
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar.