Milagre

Há alturas da nossa vida em que a escrita não sai fluida ou não faz sentido. A tinta da caneta reflexiva seca quando o momento vale a pena ser apreciado e contemplado sem tirar disso demasiadas elações a quente. Desse modo é salutar esperar alguns dias e deixar as ideias assentarem antes de as tentar esculpir em palavras e frases – deixando assim este pobre diário de molho.

Meditando um pouco, mas sem tentar chegar à essência das coisas que se sentem e também vislumbram na minha vida, tomei consciência que estou a atravessar um Equador existencial e que me dirijo a um novo hemisfério da minha vida. Há muito que o trópico me era evidente, e que pressentia essa linha imaginária que marca uma etapa da vida.

Hoje estou sereno e muitíssimo feliz, para lá de qualquer tipo de interferência malévola. Voltei a visitar a América do Sol e apaziguei muitas das minhas disputas internas, apaziguei o espírito, tudo num lapso de meio ano. Um milagre…