Até às Arábias…

Viajar até às arábias revelou-se particularmente interessante. O choque cultural que eu estava à espera concretizou-se, mas de forma que eu não tinha sido capaz de prever.
Ser-se turista num país que é em grosso modo islâmico, não deixa de ser uma visita de um forasteiro que representa divisas e ao qual convém extorquir o máximo de dinares possíveis. Somos tolerados, apenas e só e apenas nos falta uma etiqueta na testa a dizer quanto valemos.

Desagradou-me sentir na maior parte das vezes como alguém que perdeu o estatuto de cidadania, que senti que sempre mantive por toda a Europa e América do Sol ou na África austral. Não creio que se trata apenas de uma barreira cultural e religiosa, mas sim de uma barreira que é social, onde nós -pobres ocidentais – presumimos estar mais evoluídos.

Mais a mais, aperceber-me do rigor militarista do estado e que estou noutro país onde subsiste uma fantochadocracia de partido único, onde o presidente alterou duas vezes a constituição para alargar o número de mandatos consecutivos … É uma sensação estranha, e até bizarra, sentir que os valores não são melhores ou piores: apenas diferentes – talvez mais rigorosos no que toca ao patriarcado familiar e ao rigor social face aos alegados costumes religiosos. Nem é sempre agradável sentir que nessa sociedade o lugar da mulher é dentro de quatro paredes, e que surgem sempre alguns olhares de desagrado face aos costumes ocidentais fora da zonas «turísticas» e de «consumo».

Mas se pusermos de lado a questão social, ficam os lugares, os sabores e a companhia. Um cheirinho a deserto, a uma história antiga que parece inóspita e conturbada desde fenícios, cartagineses, exércitos poeirentos em Panzers e onde o azul celeste está sempre presente solidificando uma consciência diferente e intemporal e de Verões tórridos frente ao Mare Nostrum. Senti o laxismo descontraído que se pretende numas férias em que felizmente estive fora de vista de compatriotas. Já por isso valeria a pena relembrar. Mas não voltar.