Típico

Agosto é mês de descanso e férias. Algo que recusei de ante-mão, não porque esteja cheio de energias, mas sim porque o trabalho é menos pesado e as filas de transito migraram para outras bandas.

Mesmo assim a minha opção parece-me escassa, pois este Agosto tem se mostrado tão pálido, tão medroso que não me parece o mesmo mês. Salvo a vida agitada no que toca ao social, tudo o resto parece algo colocado fora de ordem cronologia. Não há um calor tórrido, incêndios, esplanadas, tostas na praia.

Talvez haja algo típico no atípico.

Sonho

É fácil perder a perspectiva do horizonte, quando nos perdemos no curto prazo. As necessidades corriqueiras são empoladas no corre-corre diário de inúmeras inutilidades e aborrecimentos de circunstância fugazes.

Viver ao sabor da maré é algo aterrador e para mim é motivo de desconforto. Já vivi imenso tempo assim, se é que se pode chamar a isso viver. Poder perscrutar a longo prazo onde se quer ir e não deixar que as borrascas e ventos contrários nos impeçam de perseguir os nossos sonhos é importante para Viver.

Mas o que é realmente importante é ter sonhos que perseguir. Sem isso está-se morto.