Crise

Estar alheio aos grandes problemas da nossa civilização, ou apenas meramente com a sensação que o comboio vai em andamento e não é possível saltar, são as sensações que me ocorrem quando sou bombardeado com noticias sobre economia e sobre a politica.
Não creio que tenha existido um período histórico depois da Segunda Grande Guerra Mundial em que o dito Ocidente estivesse perante um colapso.

Mas talvez esta crise não seja meramente economicista, mas talvez também politica, e essencialmente cultural. O liberalismo de braço dado com o capitalismo selvagem, têm danificado a sociedade ocidental, a ponto da cultura ser massificada e o individuo reduzido ao seu papel de consumidor, um mero objecto da engrenagem económica.

Até a politica está esventrada de conteúdo filosófico e ideológico, usando publicidade e campanhas de marketing agressivo para se venderem como um produto embalado, uma imagem como num detergente da louça. A imagem vende, o cabeçalho do jornal vende, mas não o conteúdo, nem as páginas centrais – esse é talvez o paradigma que se nos coloca – encontrar a motivação e as ideias que fazem funcionar as civilizações.

A politica é exasperante : o mal é que os eleitores o outrora proletariado está encharcado em narcóticos consumistas, apenas procura o bem-estar individual, pois para tal foi educado pelo sistema ao longo dos últimos trinta anos. Trinta anos esses de prosperidade e crescimento económico, ou pelo menos aumento do poder de compra para níveis nunca antes tão generalizados – pelo menos na Europa. Eu próprio me sinto narcotizado e alheio – apesar da sensação que atingimos o ponto de não retorno, e que as gerações vindouras – os nossos rebentos, não terão nos seus horizontes expectativas de melhorias de vida tal como a minha geração teve.

Por isso penso no meu futuro e principalmente no meu rebento, num período tão indefinido de crise. Que futuro nós esperará?

Angela Adonica

Hoje deitei-me junto a uma jovem pura
como se na margem de um oceano branco,
como se no centro de uma ardente estrela
de lento espaço.
Do seu olhar largamente verde
a luz caía como uma água seca,
em transparentes e profundos círculos
de fresca força.

Seu peito como um fogo de duas chamas
ardia em duas regiões levantado,
e num duplo rio chegava a seus pés,
grandes e claros.

Um clima de ouro madrugava apenas
as diurnas longitudes do seu corpo
enchendo-o de frutas estendidas
e oculto fogo. Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas,
do meu cabelo e até da minha sombra.
Acontece que me canso de ser homem.
Continuar a ler “Angela Adonica”

situações insólitas

A vida como é habito cria os seus hábitos. A vida corre fluída quando se está feliz e estável, no mundo familiar que criamos e amamos.

Mudando de cena e visitando um espaço noctívago que estávamos já desabituados, podemos assistir a um concerto brilhante e para o qual não compramos bilhetes e que assistimos numa sala de projecção mística, qual cena decadente do 2001 Odisseia no Espaço. E com o meu velho amigo Gin e a mais bela companhia do mundo.

Porém há sempre percalços e situações insólitas que servem de cenário colorido da paisagem permanente. Um particularmente estranho foi a minha querida pet ter decidido que era um gato para-quedista e pôs em pratica aquele desporto radical sem estar apetrechada com o respectivo equipamento felino. O resultado apavorante de ter um gato a cair do terceiro andar só pode ser ainda mais medonho se não se dá conta do voo e se procura o bicho sem muito sucesso. Felizmente, fora o lábio rachado e patas com almofadas estouradas não houve danos de maior a não ser uma conta calada do veterinário e um susto que nos deixou incrédulos de tão inusitado que foi.

Interessante foi uma palavra fraca para descrever a surpresa com que fui brindado num jantar de aniversário de um amigo que está sempre no coração: a medalhada jantou connosco, num momento e lugar completamente improvável.
Acho que a vida não obedece a estatísticas e probabilidades…

O que eu gosto

Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe uma paladar,
Seria mais feliz um momento …
Mas eu nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural…

Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva …

O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica…
Assim é e assim seja …