Tempo para sonhar

Como as ondas que se debatem uma após outra, num perpetuar eterno de movimento, no meu âmago desperta o gozo pela escrita. Mesmo sentindo que o meu talento para a escrita é de uma mediocridade tal que seria preferível não gastar tinta sinto uma compulsão forte que sou se acalma quando descargo alguma linha ou outra.

Que saudades eu já tinha de dispor de alguns momentos para soltar livremente tais pensamentos ou ideias. A triste sina do envelhecimento é que de facto o tempo como que não sobeja para nenhum momento de lazer e que a vida segue espartilhada pela rotina cada vez mais exigente. Algures há que soltar o tempo necessário para sonhar…

Ânimo e o tempo

E eis que mais um vez o planeta Terra descreve mais um círculo em volta do Sol cumprindo outro ano desde que este diário foi iniciado.
Recordo como se fosse ontem a primeira vez que me decidi a escrevinhar uma série de pensamentos online como partilha de pensamentos com um grupo restrito de amigos. Não iria supor que passado tantos anos estaria ainda activo. Mesmo que a meio vapor fica aqui um repositório de momentos e pensamentos de uma vivência efémera.

Obrigado e até já.

No dia em que o palhaço falou

Num desabafo rápido só quero apontar que realmente neste jardim à beira-mar plantado vivemos dias muito semelhantes à queda da Primeira República, em que políticos medíocres envolvidos em guerras palacianas afundavam o país numa profunda crise económica e social.

Sem dois dedos na testa alguns esticam a corda bamba da crise com piruetas ansiando por poder, enquanto outros igualmente desmiolados impõe regras de  interpretação dúbia e impraticáveis. Só não entendem que estendem o tapete à descrença na democracia. Um Salazar disfarçado de D.Sebastião  arrisca-se a tomar conta disto não tarda nada.

Mar de rosas

A tecnologia informática  tem avançado enormemente desde que cometi a improcedência de iniciar um blog.  Actualmente  a simplicidade e variedade das ferramentas dirigidas a um diário online é tanta que tenho impressão que há doze anos atrás estava a usar uma espécie de pedra lascada. Porém isto não é um mar de rosas, nem existe uma situação idílica que me deixa extravasar livremente palavras a gosto na web.

Para quem escreve ou tenta escrever algo nos seus tempos livres  tanta tecnologia em vez de auxiliar a caneta, torna o momento da  escrita algo insípido. Isto para não falar nos tantos pontos de distração que levam a mente a divagar para mil zonas nas redes sociais ou nas mensagens instantâneas.
Mas talvez haja salvação. Seguir a velha máxima:

Keep it simple