Somebody told me

Breaking my back
Just to know your name
Seventeen tracks
And I’ve had it with this game

I’m breaking my back
Just to know your name
But heaven ain’t close
In a place like this

Anything goes
But don’t blink you might miss

Cause heaven ain’t close
In a place like this
I said heaven ain’t close
In a place like this

Bring it back down
Bring it back down tonight, hoo hoo
Never thought I’d let a rumor
Ruin my moonlight

Well somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential

Ready? Let’s roll
Onto something new
Taking its toll
And I’m leaving without you

Ready? Let’s roll
Onto something new
Cause heaven ain’t close
In a place likethis
Heaven ain’t close
So don’t blink you might miss

Cause heaven ain’t close
In a place like this
I said heaven ain’t close
In a place like this

Bring it back down
Bring it back down tonight
Never thought I’d let a rumor
Ruin my moonlight

Well somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Pace yourself from me
I said maybe, baby please
But I just don’t know now
When all I wanna do is try

But somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

by the The Killers

Coisas erradas

Mesmo um exame superficial da história revela que nós, seres humanos, temos uma triste tendência para cometer os mesmos erros repetidas vezes. Temos medo dos desconhecidos ou de qualquer pessoa que seja um pouco diferente de nós. Quando ficamos assustados, começamos a ser agressivos para as pessoas que nos rodeiam. Temos botões de fácil acesso que, quando carregamos neles, libertam emoções poderosas. Podemos ser manipulados até extremos de insensatez por políticos espertos. Dêem-nos o tipo de chefe certo e, tal como o mais sugestionável paciente do terapeuta pela hipnose, faremos de bom grado quase tudo o que ele quer – mesmo coisas que sabemos serem erradas.

in Carl SaganO Mundo Infestado de Demónios

Puro prazer

Já não corria há mais um mês. O meu corpo e espírito ressentiram-se da ausência da estrada que se escapa a cada passada. Tinha saudades das minhas corridas sem rumo e de aqueles momentos Zen em que o corpo pressionado, liberta a mente e mergulha noutro plano existencial.

Para mim ser corredor não é correr mais e melhor, competir e a buscar a superação per si. Ser corredor é procurar um momento de escape e fuga rumo ao meu intimo, numa espécie de meditação não-transcendental onde apenas falo com os metros à frente de um destino algo confuso mas que persigo com prazer.

Voltar foi custoso e as pernas e os pulmões deram muitos sinais de fadiga precoce mas que é apenas um desafio a superar e que dentro de semanas tudo terá voltado à normalidade com várias dezenas de quilómetros de puro prazer.

Pantera

Eusébio, tal como Amália e a irmã Lúcia eram as três encarnações do portugalzinho baseado nos três Fs (Fátima, Futebol e Fado) que o Estado Novo e o Professor Salazar idealizaram para o Zé Povinho se orgulhar.
Estas três grandes personalidades, apesar de nada politicas foram muitos anos o estandarte de um Portugal rocambolesco com heróis da fé, da música e do desporto.

O último a nos deixar, Eusébio era um futebolista memorável e genial no seu tempo, capaz de arrebatar multidões com as suas jogadas e remates de grande craque. Apesar disso segundo consta, o grande herói desportivo tinha uma faceta mundana tal como todos nós e segundo as más-línguas depois de terminar a sua carreira futebolística afundou-se no que se costuma chamar a má vida, sendo habitual ser encontrado nos antros da capital encharcado em álcool na companhia de profissionais como só uma estrela decadente o faz tão bem. O seu alcoolismo patente, infelizmente foi sempre obscurecido pelos fãs que sempre o endeusavam. Era era sim uma estrela maior do futebol, mas não creio que fosse um Mandela, pois a sua dimensão humana grassava o enredo de uma opera bufa.

A lavagem de perfil transportando-o para um ser impoluto que habitualmente o óbito trás e os discursos de santidade póstumos, causa em mim algum asco. O clubismo histérico dos senhores da segunda circular turva a visão da realidade.

Eusébio da Silva Ferreira era um dos maiores futebolistas de todos os tempos e uma grande estrela há três quatro décadas atrás. Provavelmente merece estar no Panteão Nacional como um português nascido em Moçambique e que prestigiou a nação através dos seus feitos desportivos na época. E só.

Começar o ano

Se eu pudesse concretizar todas as metas que me propus atingir em 2014 seria um super-homem. Já metade seria uma enorme façanha.
Apesar de saber como é difícil ir atrás desse objectivos demasiado optimistas feitos com o auxilio de vapores de espumantes é importante fazer a nossa parte e pelo menos tentar fazer algo em prol do que queremos.

Se há algo que aprendi nos últimos anos, em particular no mundo da corrida, é que nada se atinge se pelo menos não se der o primeiro passo. Não se pode terminar uma corrida se não nos levantarmos do sofá, calçarmos as sapatilhas e começarmos a correr. Assim também é na vida. Sem motivação e sem o desejo de começar não há melhorias na nossa vida. Desenvolvimento só existe se estivermos cientes que queremos evoluir: melhorar começa por querer. Mas isso é o primeiro passo da corrida, muito embora seja o que talvez custa mais, mas não basta. Correr é perseverança e reflexo da vida nenhuma meta se atinge se desistimos a meio do trajecto.