No dia que a Grécia bateu com a porta

A crise do Euro aumenta e a possibilidade mais do que evidente que a Grécia vai sair do Euro é cada vez mais real. Graças a intransigência do FMI e dos governos europeus acerca das medidas de austeridade que querem impor aos gregos, os princípios  dogmáticas e políticos de parte a parte a parte levam rapidamente a construção europeia para a beira do precipício.

Uma verdade incontrolável  é que o abismo que se depara na Zona Euro não é o Syriza ter ascendido ao poder democraticamente por opção do povo grego, nem por ser de esquerda. É a incapacidade e miopia política dos lideres europeus, preocupados com ajustes orçamentais e contas de merceeiro e esquecendo na ultima década que a construção do Euro também se devia alicerçar na harmonização fiscal, um problema que todos quiserem varrer para debaixo do tapete. Os fundos de coesão são meros paliativos para a sangria e desigualdades económicas e sociais que se foram cavando.

Com políticas fiscais harmónicas, cada bandeira a saldos de impostos,  cedo ou tarde os pequenos e menos concorrenciais, tal como o Portugal sofreriam déficits orçamentais contínuos em direção a uma divida soberana insustentável.

Agora depois de um braço de ferro de gente sem grande visão de futuro a não ser o seu próprio umbigo nacional e eleições ao virar da esquina deixou-se arrastar até as ultimas consequências a luta do paga-o-que-deves-e-faz-favor-de-cortar-despesas e o já-chega-de-cinco-anos-de-sacrificios-para-estarmos-ainda-piores.

Talvez seja a altura da fuhrer Merkel, o palhaço Hollande, o Juncker dos paraísos fiscais, o Coelho amestrado e outros maus políticos perceberem que políticas econômicas restritivas não favorecem economias empobrecidas e têm danos sociais e políticos irreversíveis.

E assim que Tsipras faz hari-kari económico leva consigo a credibilidade posta nessa moeda em tempos chamada ECU e muito provavelmente consigo também os elos mais fracos da economia europeia – venha o PIGS que se segue…

Ópio do povo

Na República das bananas a política está em segundo plano. No mesmo dia que um partido do chamado arco governativo apresenta o seu programa eleitoral o país vive com apreensão uma troca de treinadores de dois clubes de futebol da 2º circular.

Tudo se resume a uma contratação polémica e choruda de um individuo que nem sequer sabe falar a língua de Camões (apesar de materna)  mas que aparenta ter algum sucesso no campeonato português de futebol – um escândalo de vira-casacas clubístico para alguns. Essa questão ofuscou as iniciativas que o atual governo português tem para liderar o país nos próximos quatro anos  na próxima legislatura.

Talvez a maioria dos portugueses seja já demasiado cético em relação aos conteúdos programáticos, uma vez que desde que se vive em democracia esses programas raramente foram cumpridos parcialmente. Talvez o povo português encare os programas dos partidos políticos como literatura utópica onde se descreve um futuro risonho para Portugal com medidas de incentivo, crescimento e redução de impostos na economia e medias de proteção social alargadas, mas que passam rapidamente a letra morta após a campanha eleitoral e a tomada de posse do novo governo.

No fundo todos se habituaram as mentiras eleitoralistas e demagógicas que ficam bem no papel mas que nunca é preciso cumprir e por isso mais vale prestar a atenção ao ópio do povo.