Quatro minutos

Este é um simples exercício para perceber quanto consigo escrever num espaço cronometrado de quatro minutos. Enquanto o tique-taque conta, martelo teclas contra-relógio sem muita precisão do que pretendo escrever. Mas isso não é propriamente algo de errado, é apenas um desenvolver de aptidões que necessito se pretendo algum dia levar avante o meu propósito de escrever alguns contos, e quem sabe, mais tarde conseguir a grande realização pessoal que seria escrever um romance.
Esse objetivo pode até ser algo inconcretizável, mas creio que sem ser um obreiro diligente, um escrevinhador persistente, não serei capaz de tal proeza. Por isso dou os meus primeiros passos no sentido de atingir uma escrita mais fluída, capacitando-me que só com muito suor e esforço se atingem as grandes façanhas da vida. Pé ante pé
Uma mulher não se conquista apenas através de um estalar de dedos, ela requer mimos e atenção, um fazer da corte perseverante, mostrando intenções sérias de namoro numa aproximação faseada rumo à intimidade que é o amor. Tal como nas paixões a escrita rouba-nos parte do nosso precioso tempo nesta terra, e só com a força do coração podemos tentar seguir a mestria com que as palavras se derramam num texto. Escrever é um ato de amor puro onde o escritor se desnuda, se retira de uma zona de conforto e expõe os seus pensamentos e fantasias numa estória que revela fragmentos do seu ser intimo e da sua matriz de credos e de estética. Cada palavra é um nó de um intrincado manto de retalhos do que o autor se propõe a dar ao seu leitor, para que este último se deixe cobrir nos sonhos de outrem. E isso é a mais pura das belezas, transferir sentimentos, sensações e até pedaços da nossa alma para alguém perdido no espaço e no tempo que algum dia há de ler aquele conjunto de palavras que jorrou no seu espírito.

Deixar uma resposta