600 km

Francamente fiquei desapontado e quase revoltado na minha ida até à grande cidade para o DJ Kitten. Havia como que algo de leproso em relação à concepção inicial, e notava-se a degeneração cancerígena do capital na performance musical. Os cifrões nem sempre permitem que algo festivo e com uma génese tão poderosa possam se repercutir no tempo. Talvez a parte de baixo do Lux, ou o facto da ausência do verdadeiro Club Kitten portuense possam ter contribuído para o desaire das minhas espectativas, mas tudo que posso refletir é que não vou querer voltar ouvir falar em festas Kitten. Ponto final.

Por outro lado a companhia foi boa, mesmo assumindo os aspectos negativos do snobismo de S. em relação a mim. Os 600 Km foram bastante bons para o desenlace de uma pequena aventura de fim-de-semana e desfrutar da companhia de amigos, mesmo numa correria de conversas e monólogos quentes.

Mas tudo foi ensombrado por uma daquelas circunstâncias sombrias que nos fazem reflectir sobre a nossa fragilidade existencial. Ali mesmo a chegar ao Lux, depois do longo mas não muito interessante jantar no Chapitô, assistimos em silêncio presos no Táxi a um espectáculo anti-clímax. As luzes da ambulância mostravam ao longe algo de estranho e logo ali quando chegamos assistimos contrariados ao resultado de um hit and run fatal. Um corpo inerte era tapado com uma toalha, uma espécie de certidão de óbito não oficial, tal como é dada no asfalto de qualquer metrópole todos os dias. Só que naquela noite nada de mais sórdido me ocorreria, mesmo em pensamentos mais mórbidos. Mais tarde N. e eu brindamos à Vida. Ela continua …