A grande Diva

Como um penetra entre os rich and the richest, teve acesso a convites para o concerto da Mariza na Casa da Música. Nunca fui apreciador de fado até ter ouvido um par de temas da Mariza, em especial a Loucura e desde então tenho sido um fã incondicional desta Diva.

Mais de que uma fadista, Mariza é a personificação de um fado que saiu da saudade da Severa e da alçada da madrinha Amália. O facto da Mariza ter orgulhosamente sangue africano nota-se na forma como ela interpreta o Fado.

O concerto em sí parecia mais um encontro de privilegiados, do que propriamente um local em que os fãs vão ouvir a sua interprete favorita. Isto porque não creio que determinadas personalidades do mundo político e social (e até alguns cromos) se tivesses deslocado até à Casa da Música para o privilégio de ouvi-la cantar.

Vestida de um deslumbrante mas espartano vestido bordeux comprido, Mariza parecia ainda mas alta e esguia, e irrompe logo com a Loucura para iniciar. Logo nos seduz com o seu invulgar à vontade em palco e capacidade de falar com a plateia, até brincando com o demasiado formalismo das gravatas e casacos de vison que por ali abundam.

Além de uma capacidade vocal sem paralelo, Mariza não é só uma mera fadista, ela introduz novos temas e interpreta de forma magistral todos temas, dando-lhe sempre toda uma expressividade como só ela o consegue. Ela gesticula, exprime-se para alem da voz e até dança o Fado. Dá ao fado uma transcendência de música do mundo e não a música de um lugarejo chamado Lisboa. É uma música com raízes étnicas, mas é muito mais que isso. Os violinos, a viola de arco, o violoncelo e a percussão são introduzidas, fazendo todo o sentido numa fusão que é fado, mas é muito mais que fado.

As transparências revelam a sua origem moçambicana, o seu crescimento na Mouraria, o seu caminho no jazz e a redescoberta do Fado. É é pela sua voz que o Fado se moderniza e se torna algo que os meus ouvidos deliram.

Pena é que os aplausos tenham pecado por ser escaços. Deslumbrante quando Mariza interpretou Summer Times como ninguêm e quando evocando uma tasquinha fadista, cantou em plenos pulmões sem microfones e a sua voz autentica e cristalina acompanhada às guitarras se fez sentir em toda a sala 1. Um momento inesquecível. Genial, rendo-me a seus pés!

1 opinião sobre “A grande Diva”

Deixar uma resposta