Anoitecer

Num crepúsculo de desalento e recordações perdidas
Sairás sobre o firmamento, consagranda em ardor.
Serás toda a minha existência pecaminosa,
Toda a minha luxúria frustrada, repleta de amor e fel,
Numa noite luminosa, que se estende sem sombra de dor.

No tempo de cólera de paixões passadas,
E paixões consertadas, terás o vigor do sexo desenfreado,
Do desejo sufocante e possuirás a minha chama desvairada,
Toda a minha libido demente sobre o céu na terra,
Num momento desgovernado, como nunca foi vivido.

Será assim que vejo
Será assim que eu te desejo
Mesmo quando não te beijo
Num suave anoitecer
Exaltante.

Deixar uma resposta