Aprendendo

Aproxima-se o Verão e com ele novas etapas. O mundo muda e a vida acontece quando tentamos racionalizar um pouco o nosso meio , talvez por isso exista um permanência um lag , uma dessincronização, entre a nossa capacidade de interiorizar os acontecimentos importantes da nossa vida e actuar de acordo quando ocorrem novos eventos. Por isso considero que cada vez mais a vida tem que ser instintiva o mais possível e não planeada segundo valores pré definidos.

Talvez por eu ser uma estranha simbiose entre um romântico encartado e um filosofo de trazer por casa, gosto de aliar conceitos inverosímeis – como encontrar alguma lógica nos comportamentos humanos e simultaneamente defender a paixão de Viver. Porém quando me dou conta, construo uma manta de retalhos de concepções e hipóteses de fundamentos. Isso leva-me a acreditar que muitas ideias que vulgarmente considerava imutáveis são de facto castelos de cartas e que segundo um filosofo ancestral – Sócrates – nos devemos colocar como eternos aprendizes.

A mutabilidade da vida parece ser a única constante da existência. E isso demora a ser apreendido. E este Verão quero aprender muitas coisas sobre a vida, nas aulas do bem lindo rebento.

Deixar uma resposta