Beijos Esquecidos

Sobranceiro numa sombra perdida,
Não encontro um equinócio nem solstício.
Num jardim onde deambula uma alma partida,
Sem rosas nem jasmins, sem fim nem princípio.

Nessa ausência dolorosa, partilho o medo,
Esqueço que te desejo e busco loucamente
Para além de um limbo apático sem credo,
Numa crença de me fugires amargamente.

Conquista-me a vontade;
Corta minhas raízes profundas;
Bebe da minha verdade!

Realiza meus desejos;
Levanta minhas mãos prostradas;
Dá-me doces beijos!

Deixar uma resposta