Destino

Estou algo alarmado e receoso. Tudo porque no meu âmago estou a pressentir que o meu futuro se modifica de forma abrupta. Todos os pequenos planos, todos os passos a curto prazo parecem não fazer mais sentido, num volte de face muito delicioso do destino, que me envolve e transforma.

Como se um vendaval se abatesse sobre mim tudo esvoaça em meu redor, sem que eu consiga discernir do que se trata. É rápido como o vento quente que rodopia à minha volta e me abraça e sacode numa nova sensação. Páginas do meu diário esvoaçam por preencher roçando o meu corpo, circundando-me e questionando-me se vou escrever novas passagens cheias de fulgor e mudanças. São páginas em branco, níveas e espessas, que numa coluna de redemoinho se cruzam e revolvem, questionando-me. Perguntam-me por novas passagens, novas encruzilhadas do destino, por um novo plano de existências, mutações e destinos.

O Sol brilha e como num sonho a luz invade todo um horizonte azul, pleno de serenidade e calor, enquanto o vento transporta as folhas numa espiral interminável dum branco intenso cortando o céu azul como uma faca de gume afiado.

E levando a pena, hesito olhando um tinteiro de ouro, repleto da tinta negra com que vou elevar-me com uma nova musa esplendorosa e generosa. Tanto por escrever, tanto por viver!

2 opiniões sobre “Destino”

  1. No Jardim Negro para ver será preciso ousar,
    tatear, sentir medo e dúvida, acreditar e usar
    a cor negra como suprema dádiva, um presente
    dos deuses da arte.

Os comentários estão encerrados.