E para o senhor que se segue?

A nova geração apresenta-se. Um após outro, os rebentos surgem, dando azo a uma nova fase da vida.

Os meus amigos de infância, da escola, da praia, do liceu, da faculdade, do trabalho, cumprem o desafio inexorável do perpetuar da espécie, um imperativo genético gravado desde os tempos primário no nosso âmago. E como é belo criar um filho, mesmo sabendo da dificuldades contemporâneas da paternidade.

A questão que muitas vezes assola a minha mente é o legado que pretendo ( e quando digo eu também me refiro a todos na minha posição de pai ) – passar a nova geração. Dos setenta para os dois mil, neste país à beira mar plantado muito mudou, alias é perfeitamente irreconhecível o pacato país em que vivo. Não só porque eu nasci em ditadura e as primeiras memorias de televisivas que tenho se prendem com o incrível PREC – ou seja existe hoje uma democracia trintona e algo murcha que tanto contrasta com a minha infância. A paisagem das cidades asfaltou-se e pelo menos na minha cidade o centro municipal passou de um jardim com pombas e autocarros laranjas de dois andares, que deu lugar a um campo de granito que só tem gaivotas.

Lembro-me dos banco estarem em banca rota – um conceito estranho para um pirralho que apenas assumia que era algo mau, pois meus pais estavam preocupados. Curiosamente existe um paralelismo interessante com a crise financeira de hoje, pelo menos nalguns receios, com a grande ressalva que hoje estamos a lidar com uma crise global e não somente nacional.

Por isso me questiono muitas vezes: que futuro daremos à próxima geração?

Deixar uma resposta