Frebril

Estava eu no sossego de uma convalescença dessas gripes invernais, só com a companhia do meu peluche e de um bom livro, quando me dei conta que não escrevo há séculos. Só num espaço sem estar ligado à rede, onde só faltava a lareira para sentir que me encontrava há cinquenta anos atrás é que me deu uma vontade enorme de escrever. Era como se a impossibilidade de termos um bem, aumente o seu desejo, e isso fez me sentir algo estúpido. Ter desperdiçado inúmeras ocasiões para fazer o gostinho à caneta por causa da preguiça e o corre-corre diário e rotineiro: isso são sempre desculpas esfarrapadas.

Ao sentir o vento a uivar lá fora e o meu nariz a teimar escorrer mucos irritantes, deixei-me levar em meditações febris, que embora fossem algo desconexas eram contudo de uma lucidez alarmante : dei-me conta que estou a chegar à idade de não retorno.

Algures um relógio biológico indica-me que o meu leque de opções encontra-se cada vez mais com menos horizontes, menos cenários, menos enquadramentos. Mas isso não é obrigatoriamente mau, muito pelo contrário, permite que nos foquemos mais no essencial e não no acessório no que toca ao que buscamos da vida. E no meu caso posso dizer que a opção que tenho pela frente é das mais risonhas que alguma vez vislumbrei.

Deixar uma resposta