“jet-lag”

Ainda sinto na pele o calor do clima e gosto das espetadas em loureiro e da espada. Mas mais que isso sinto na alma uma amizade profunda que a distância e a ausência não conseguiram anular.

Escusado será dizer que como nos bons velhos tempos, enquanto os ossos aguentaram ouve folia e noites sem par e claro as calmarias resultantes de compensação. Felizmente o velhito 205 CTI cabriolet mostrou os 130 cavalos (?) nas subidas até o Pico Ruivo e na Queimada junto a Santana onde foi até ao isolado mas único e de beleza indescritíveis Caldeirão Verde através de uma levada de 4 duras horas para percorrer 13 km. Mas valeu a pena! E voltaria a percorrer aquelas falésias 100 vezes!

Agora na República, longe da RAM e da CMF ando sem vontade para estar online. E vivam as bananas e os furados e as chavelhas … e claro as ponchas de laranja também!