Imitation of life

Charades pop skill
Water hyacinth
Name by a poet
Imitation of life

Like a koi in a frozen pond
Like a goldfish in a bowl
I don’t want to hear you cry

That sugar cane that tasted good
That cinnamon, that’s Hollywood
Come on, come on
No-one can see you try

You want the greatest thing
The greatest thing since bread came sliced
You’ve got it all
You’ve got it sized

Like a Friday fashion show
Teenager cruising in the corner
Trying to look like you don’t try

That sugar cane that tasted good
That cinnamon, that’s Hollywood
Come on, come on
No-one can see you try

No-one can see you cry

That sugar cane that tasted good
That’ freezing rain, that’s what you could
Come on, come on
No-one can see you cry

This sugar cane, this lemonade
This hurricane, I’m not afraid
Come on, come on
No-one can see me cry

This lightning storm, this tidal wave
This avalanche, I’m not afraid
Come on, come on
No-one can see me cry

That sugar cane that tasted good
That’s who you are, that’s what you could
Come on, come on
No-one can see you cry

That sugar cane that tasted good
That’s who you are, that’s what you could
Come on, come on
No-one can see you cry

R.E.M.

In to the galaxy

Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
An apparition
Of twilight visions
A final mission
Of superstition
Reactivated
Now automated
Appropriated
Investigated
Global tectonics
Psycho robotic
Plasma bionic
Bred supersonic
A new translation
For integration
Your invitation
G-L-O-R-I-A
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Hyper creation
Or reinvention
Love and affection
Gaining attention
United Nations
Interrelations
A declaration
Of hypertension
Emerging summits
Pre-emptive plummet
We drop atomic
To shooting comets
The controversial
Ultra commercial
Now universal
G-L-O-R-I-A
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Floating to the edge of the world
Floating to the edge of the sea
Floating off the edge of the ocean
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Out into the galaxy
Letra e música de Midnight Juggernauts

Winning

What holds your hope together,
Make sure it’s strong enough
When you reach the end of your tether
It’s because it wasn’t strong enough,
I was going to drown,
Then I started swimming
I was going down,
Then I started winning
Winning – winning

When you’re on the bottom
Crawl back to the top
Something pulls you up,
and a voice you can’t stop,
I was going to drown,
Then I started swimming,
I was going down
Then I started winning
Winning – winning

The Sound

Choose life…again

Choose life
Choose Facebook, Twitter, Instagram and hope that someone, somewhere cares
Choose looking up old flames, wishing you’d done it all differently
And choose watching history repeat itself
Choose your future
Choose reality TV, slut shaming, revenge porn
Choose a zero hour contract, a two hour journey to work
And choose the same for your kids, only worse, and smother the pain with an unknown dose of an unknown drug made in somebody’s kitchen
And then… take a deep breath
You’re an addict, so be addicted
Just be addicted to something else
Choose the ones you love
Choose your future
Choose life”

Anos de Bailado e Natação

O bandido solitário tem no crime o coração
Traz do roubo o seu salário
Paga caro a paixão.

O bandido solitário tem uma bala no canhão
Vai metê-la no diabo
Já deitado no caixão.

O bandido solitário tem a fúria de um cão
E anda às voltas pelas ruas
Com a alma pela mão.

O bandido solitário só faz folga para foder,
Escolhe sempre as mais feias,
Gosta de beijar sem ver.

E a mulher que o quiser tem de ouvir esta canção,
E a mulher que o quiser,
Farto peito, grande língua, anos de bailado e natação.

Foi um dia apanhado a roubar uma espanhola,
Ficou tudo admirado
E tiraram-lhe a pistola.

E a pistola era tola, só servia para espirrar,
Carregando numa mola
Não servia para matar.

E a mulher que o quiser tem de ir para a prisão,
E a mulher que o quiser,
Farto peito, grande língua, anos de bailado e natação.

E a mulher que o quiser tem de ir para a prisão,
A mulher que o quiser,
Farto peito, grande língua, anos de bailado e natação.

Música de Mundo Cão
Letra de Valter Hugo Mãe

Fado da despedida

Voltei com a mesma fome
Ai como andara enganado
A quem renega o seu fado
Nem o céu lhe sabe o nome

Não achei o paraíso
E sei que tudo é pequeno
Mas no teu rosto sereno
É cada ruga um sorriso

Encontro as flores outra vez
O sol perguntou por mim
E foi sobre o meu jardim
Que uma nuvem se desfez

Na firme paz de quem ama
Acabei o meu desatino
Vejo os sonhos de menino
Á roda da minha cama

Adeus ó ilhas desertas
Velas Á raiva do vento
A cadeira em que me sento
É as minhas descobertas

Nem mesmo o teu fumo quero
Meu cachimbo de Xangai
Agora que já sou pai
No meu filho é que me espero

Ó sombra da minha sorte
Que traí com cem mulheres
Podes vir quando quiseres
Senhora da Boa Morte

Medeiros/lucas – Mar Aberto,

Deep inside

When you opened my heart I was thrown
Deep into the Milky Way
The adrenaline rush that I got from the crush blew me away
Opened doors, opened wide, deep inside
You rose in a certain way
I could feel how you grew and I knew
You would steal my heart away

Deep inside, deep inside
Why did you just steal my heart and go
Deep inside, deep and tight
My teeth are sore on your front door
I’m dry, I’m dry, I’m dry, I’m dry
Deep inside the Milky Way

Now I’m pushed and I’m pulled
I feel flushed
I’m completely out of place
And the blood that was boiling with lust
Now is frozen in my veins
I am stuck in a rut with the thought
When my life was swept away
How cathartic when my heart exploded
Inside the Milky Way

Deep inside, deep inside
Why did you just steal my heart and go
Deep inside, deep and tight
My teeth are sore on your front door
I’m dry, I’m dry, I’m dry, I’m dry
Deep inside the Milky Way

«Deep inside» by GusGus

Summer song

I wanna dance by water ‘neath the Mexican sky
Drink some Margaritas by a string of blue lights
Listen to the Mariachi play at midnight
Are you with me, are you with me?

Are you with me?

Are you with me?

Drink some Margaritas by a string of blue lights
Listen to the Mariachi play at midnight
Are you with me, are you with me?

I wanna dance by water ‘neath the Mexican sky
Drink some Margaritas by a string of blue lights
Listen to the Mariachi play at midnight
Are you with me, are you with me?

Are you with me?

I wanna dance by water ‘neath the Mexican sky
Drink some Margaritas by a string of blue lights
Listen to the Mariachi play at midnight
Are you with me, are you with me?
I wanna dance by water ‘neath the Mexican sky
Drink some Margaritas by a string of blue lights
Listen to the Mariachi play at midnight
Are you with me, are you with me?
Are you with me?

By Easton Corbin remix Lost Frequencies

E já lá vão 14 anos…

Faz hoje exatamente 14 anos que comecei este blog. Nunca imaginei que este sobreviveria tanto tempo, que tenha antecedido a moda de blogar e fosse tão perseverante que quando se tornou démodée manter um diário online ou um site de artigos de opinião ainda existisse de forma resiliente.

Escrever aqui foi como o encontrar de companhia para os bons e maus momentos, e nos períodos de fertilidade da escrita ou de um profundo esquecimento este lugar esteve sempre disponível para me voltar receber.

Há quatorze anos um dos motivos que me levou a começar a escrever num blog foi a deslocalização a que me sujeitei, trocando a minha cidade e um emprego que eu gostava mas numa empresa que afigurava o Passado, por um novo projeto mal definido na grande capital. Estava há muito apaixonado pela K. e sabia que essa paixão não se concretizaria tão cedo, não era o lugar nem o momento. Por isso, por males de amor e de males de gestão encarei que nada tinha a perder, mas sim tudo a ganhar. Comecei a escrever num Palm (imaginem) que me acompanhava regularmente no Alfa Pendular numa malograda aventura que assistiu à derrocada das torres gémeas. O 11 de Setembro envolveu o desencanto de uma nova época de mudança e eu não sobrevivi na grande capital, nesse desterro de migrantes.  Foi uma época de alguma desilusão e de sobrevivência. E foi no psicotico.com que libertei demónios e frustrações assim como enumerei esperanças e registrei bons momentos.

A sua companhia, a sua estranha forma de confidente aberto ao mundo foi uma óptima forma de catástase que para os engodos e vitórias me fez companhia fiel ao longo destes anos. Obrigado!

Far From Any Road

From the dusty mesa her looming shadow grows
Hidden in the branches of the poison creosote

She twines her spines up slowly towards the boiling sun,
And when I touched her skin, my fingers ran with blood.

In the hushing dusk, under a swollen silver moon,
I came walking with the wind to watch the cactus bloom.

A strange hunger haunted me; the looming shadows danced.
I fell down to the thorny brush and felt a trembling hand.

When the last light warms the rocks and the rattlesnakes unfold,
Mountain cats will come to drag away your bones.

And rise with me forever across the silent sand,
And the stars will be your eyes and the wind will be my hands.

Música de Handsome Family – (tema do genérico de True Detective)

Sentes, Pensas e Sabes que Pensas e Sentes

Dizes-me: tu és mais alguma cousa
Que uma pedra ou uma planta.
Dizes-me: sentes, pensas e sabes
Que pensas e sentes.
Então as pedras escrevem versos?
Então as plantas têm idéias sobre o mundo?

Sim: há diferença.
Mas não é a diferença que encontras;
Porque o ter consciência não me obriga a ter teorias sobre as cousas:
Só me obriga a ser consciente.

Se sou mais que uma pedra ou uma planta? Não sei.
Sou diferente. Não sei o que é mais ou menos.

Ter consciência é mais que ter cor?
Pode ser e pode não ser.
Sei que é diferente apenas.
Ninguém pode provar que é mais que só diferente.

Sei que a pedra é a real, e que a planta existe.
Sei isto porque elas existem.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram.
Sei que sou real também.
Sei isto porque os meus sentidos mo mostram,
Embora com menos clareza que me mostram a pedra e a planta.
Não sei mais nada.

Sim, escrevo versos, e a pedra não escreve versos.
Sim, faço idéias sobre o mundo, e a planta nenhumas.
Mas é que as pedras não são poetas, são pedras;
E as plantas são plantas só, e não pensadores.
Tanto posso dizer que sou superior a elas por isto,

Como que sou inferior.
Mas não digo isso: digo da pedra, “é uma pedra”,
Digo da planta, “é uma planta”,
Digo de mim, “sou eu”.
E não digo mais nada. Que mais há a dizer?

Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”
Heterónimo de Fernando Pessoa

Ivan Meets G.I. Joe – (Guerra fria está na moda)

So you’re on the floor, at 54
Think you can last – at the Palace
Does your body go to the to and fro?
But tonight’s the night – or didn’t you know
That Ivan meets G.I. Joe
He tried his tricks- that Ruskie bear
The United Nations said it’s all fair
He did the radiation – the chemical plague
But he could not win – with a cossack spin
The Vostok Bomb – the Stalin strike
He tried every move – he tried to hitch hike
He drilled a hole – like a Russian star
He made every move in his repertoire
When Ivan meet G.I. Joe
Now it was G.I. Joe’s turn to blow
He turned it on – cool and slow
He tried a payphone call to the Pentagon
A radar scan – a leviathan
He wiped the Earth – clean as a plate
What does it take to make a Ruskie break?
But the crowd are bored and off they go
Over the road to watch China blow!
When Ivan meets G.I. Joe

Ivan Meets G.I. Joe – The Clash

Crucify Your Mind

Was it a huntsman or a player
That made you pay the cost
That now assumes relaxed positions
And prostitutes your loss?
Were you tortured by your own thirst
In those pleasures that you seek
That made you Tom the curious
That makes you James the weak?

And you claim you got something going
Something you call unique
But I’ve seen your self-pity showing
As the tears roll down your cheek

Soon you know I’ll leave you
And I’ll never look behind
‘Cos I was born for the purpose
That crucifies your mind.
So con, convince your mirror
As you’ve always done before
Giving substance to shadows
Giving substance ever more.

And you assume you got something to offer
Secrets shiny and new
But how much of you is repetition
That you didn’t whisper to him too.

Crucify Your Mind, album Cold Fact de Sixto Rodriguez

Disorder

I’ve been waiting for a guide to come and take me by the hand,
Could these sensations make me feel the pleasures of a normal man?
These sensations barely interest me for another day,
I’ve got the spirit, lose the feeling, take the shock away.

It’s getting faster, moving faster now, it’s getting out of hand,
On the tenth floor, down the back stairs, it’s a no man’s land,
Lights are flashing, cars are crashing, getting frequent now,
I’ve got the spirit, lose the feeling, let it out somehow.

What means to you, what means to me, and we will meet again,
I’m watching you, I’m watching her, I’ll take no pity from you friends,
Who is right, who can tell, and who gives a damn right now,
Until the spirit new sensation takes hold, then you know,
Until the spirit new sensation takes hold, then you know,
Until the spirit new sensation takes hold, then you know,
I’ve got the spirit, but lose the feeling,
I’ve got the spirit, but lose the feeling,
Feeling, feeling, feeling, feeling, feeling, feeling, feeling.

Disorder dos Joy Division

Somebody told me

Breaking my back
Just to know your name
Seventeen tracks
And I’ve had it with this game

I’m breaking my back
Just to know your name
But heaven ain’t close
In a place like this

Anything goes
But don’t blink you might miss

Cause heaven ain’t close
In a place like this
I said heaven ain’t close
In a place like this

Bring it back down
Bring it back down tonight, hoo hoo
Never thought I’d let a rumor
Ruin my moonlight

Well somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential

Ready? Let’s roll
Onto something new
Taking its toll
And I’m leaving without you

Ready? Let’s roll
Onto something new
Cause heaven ain’t close
In a place likethis
Heaven ain’t close
So don’t blink you might miss

Cause heaven ain’t close
In a place like this
I said heaven ain’t close
In a place like this

Bring it back down
Bring it back down tonight
Never thought I’d let a rumor
Ruin my moonlight

Well somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Pace yourself from me
I said maybe, baby please
But I just don’t know now
When all I wanna do is try

But somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

Somebody told me
You had a boyfriend
Who looked like a girlfriend
That I had in February of last year

It’s not confidential
I’ve got potential
A rushin’, a rushin’ around

by the The Killers

Coisas erradas

Mesmo um exame superficial da história revela que nós, seres humanos, temos uma triste tendência para cometer os mesmos erros repetidas vezes. Temos medo dos desconhecidos ou de qualquer pessoa que seja um pouco diferente de nós. Quando ficamos assustados, começamos a ser agressivos para as pessoas que nos rodeiam. Temos botões de fácil acesso que, quando carregamos neles, libertam emoções poderosas. Podemos ser manipulados até extremos de insensatez por políticos espertos. Dêem-nos o tipo de chefe certo e, tal como o mais sugestionável paciente do terapeuta pela hipnose, faremos de bom grado quase tudo o que ele quer – mesmo coisas que sabemos serem erradas.

in Carl SaganO Mundo Infestado de Demónios

Tabacaria

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.
Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.
Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei de pensar?
Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Gênio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
Não, nem em mim…
Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas –
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.
Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
Ainda que não more nela;
Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,
E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
Crer em mim? Não, nem em nada.
Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
O seu sol, a sua chava, o vento que me acha o cabelo,
E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
Escravos cardíacos das estrelas,
Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordamos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,
Saímos de casa e ele é a terra inteira,
Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.
(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)
Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
A caligrafia rápida destes versos,
Pórtico partido para o Impossível.
Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,
Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
A roupa suja que sou, em rol, pra o decurso das coisas,
E fico em casa sem camisa.
(Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
Ou não sei quê moderno – não concebo bem o quê –
Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
Meu coração é um balde despejado.
Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
A mim mesmo e não encontro nada.
Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)
Vivi, estudei, amei e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente
Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.
Essência musical dos meus versos inúteis,
Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
Como um tapete em que um bêbado tropeça
Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.
Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o deconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,
Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.
Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.
Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.
Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.
(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.
O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu.

Álvaro de Campos, 15-1-1928

Ó Véspera do Prodígio – IV

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
Creio na deusa com olhos de diamantes,
Creio em amores lunares com piano ao fundo,
Creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes,
.
Creio num engenho que falta mais fecundo
De harmonizar as partes dissonantes,
Creio que tudo é eterno num segundo,
Creio num céu futuro que houve dantes,
.
Creio nos deuses de um astral mais puro,
Na flor humilde que se encosta ao muro,
Creio na carne que enfeitiça o além,
.
Creio no incrível, nas coisas assombrosas,
Na ocupação do mundo pelas rosas,
Creio que o amor tem asas de ouro. Ámen.

Natália Correia

Grândola vila morena

Grândola vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti ó cidade

Dentro de ti ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade

Grândola vila morena
Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola vila morena
Terra da fraternidade

Terra da fraternidade
Grândola vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena

À sombra de uma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade

Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra de uma azinheira
Que já não sabia a idade

Zeca Afonso 10 Maio 1972

LONELY BOY

Well I’m so above you
and it’s plain to see
but I came to love you any way…
So you pulled my heart out and I don’t mind bleedin’
and the whole time you keep me waiting, waiting, waiting

oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
Im a lonely boy, I’m a lonely boy
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting

well your mama kept you
but your daddy left you
[ From: http://www.metrolyrics.com/lonely-boy-lyrics-the-black-keys.html ]
and I shoulda’ done you just the same
but I came to love you am I going to bleed?
and the whole time you keep me waiting, waiting, waiting

oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
Im a lonely boy, I’m a lonely boy
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting

oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting
Im a lonely boy, I’m a lonely boy
oh oh oh oh, I got a love that keeps me waiting

y THE BLACK KEYS

A história repete-se

Um Povo Resignado e Dois Partidos sem Ideias

Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta. [.]

Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não descriminando já o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira a falsificação, da violência ao roubo, donde provem que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro. Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País.

A justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca-rolhas.

Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar.

Guerra Junqueiro, in ‘Pátria (1896)

Culture War

Now the future’s staring at me
Like a vision from the past
And I know these crumbs they sold me
They’re never going to last

Though we know the culture war
We don’t know what it’s for
But we’ve lived a southern strategy
But no, it’s never going to last
So keep it in the past

These are different times that we’re living in
These are different times
Now the kids are growing up so fast
They’re paying for our crimes

You left while I was sleeping
You said it’s damning
Oh, I’ve read a little Bible
You see what you want to see

Oh, we know the culture war
We don’t know what it’s for
But we’ve lived your southern strategy
We know it’s never going to last
So keep that shit in the past

These are different times that we’re living in
Because these are different times
Now the kids are growing up so fast
They’re paying for our crimes

These are different times that we’re living in
These are different times
Now the kids are growing up so fast
They’re paying for our crimes

The dominos, they never fell
Our bodies they still burn
I throw my hand into the fire
But still I never learn
Will I ever learn?

These are different times
Now the kids are growing up so fast
Paying for our crimes

We’ll be soldiers for mommy and dad
In your culture wars

We’ll be soldiers for mommy and dad
Don’t know what it’s for

We’re soldiers now
In the culture war

We’re soldiers now
But we don’t know what it’s for

We’re soldiers now
In the culture war

We’re soldiers now
But we don’t know what it’s for

So tell me, what’s it for?

You want it? You got it
Here’s your culture war

You want it, now you got it
So tell me, what’s it for?

You want it? You got it
Here’s your culture war

You want it, now you got it
So tell me what’s it for?

Yeah tell me, what’s it for?

Letra de Arcade Fire

10 Anos é muito tempo

Corre Nina
A casa da praia
Foi tempo de uma flor sem tempo
De uma geração

Dia a dia a marcha da vida
Foi um amor sem palavras
Chuvas de verão
Diz-me onde é que tu moras
Diz-me o que fazes depois do adeus

Um encontro
Um cantar de amigos
Aplausos ou desprezo para o cantor
A cantiga é quando um homem quiser
E eu já sei que deve ser cantiga de amor

Hoje canto com quadras à solta
Deito a semente na terra lavrada

10 Anos é muito tempo
Muitos dias, muitas horas a cantar
10 Anos é muito tempo
Deste tempo inteiro que eu vos quero dar

Em Lisboa, menina e moça
Do meu canto de esperança nasceu a Nini
E agora, que eu canto e sei porquê
É por isso que gostava de vos ver aqui.

10 Anos é muito tempo
Muitos dias, muitas horas a cantar
10 Anos é muito tempo
Deste tempo inteiro que eu vos quero dar

Música e letra de Paulo de Carvalho