No exílio

Não nos devemos apegar às recordações nas alturas difíceis, mas quando as lembranças são recentes e intensas e nos dão tanta força e coragem acabam por ser um sustento, um escudo contra as intempéries que se abatem sobre nós.

Julgo que o destino abriu-me muitas portas nas últimas semanas, e mostrou-me insistentemente sinais de que terei uma caminhada nada solitária, abençoada e repleta de satisfação. Nada que fosse capaz de procurar com esperança de encontrar, mas que se deparou comigo como se eu fosse impelido em seu rumo de forma inevitável.

Agora que a distância atormenta, num desconforto de que parte de nós ter sido retirada, e que não estou em minha casa, nem tenho o meu carro, e todas as coisas que considero minhas, mas que são um mero nada, sofro uma espécie de desterro que me recorda do que me faz pulsar.

Neste exílio de forçado, resta-me, como a todos os exilados, a esperança de voltar a pisar a terra que é nossa, acalentando ferozmente essa saudade forte para que ela ressurja em vontade consumada do retorno.

um amor tão grande é capaz de nos dar a beber essa esperança, esse fulgor de vida, como se estivesse predestinado a existir e abraçar-nos, fazendo que o mundo cesse de ser e acontecer ao seu redor.

Com as chuvas cinzentas de Outono, forçando já ao frio e as folhas que vão cair da árvores, exilado e longe dos confortos, surjo mais forte e pleno, mais intransigente, mais iluminado numa certeza que me aquece.

1 opinião sobre “No exílio”

Os comentários estão encerrados.