O virar da página

O virar da página

Há uma lei da física de Lavoisier que se adequa às nossas vidas :


Na Natureza nada se perde, nada se cria: tudo se transforma

Creio que este postulado é uma verdade absoluta, provada cientificamente no mundo da física que pode ser alargado ao mundo da metafísica. A nossa alma e a nossa mente também evoluem e se transformam. Há sempre pontos-chaves na nossa vida que geram novas fases e este último fim-de-semana foi um desses marcos de mudança.

O virar da página é um renascimento, uma lufada de esperança, como que se começasse a escrever um livro sabendo que nas páginas em branco há muito que preencher e nesse ponto de partida se pode chegar a mil e um finais para a história que vamos contar.

Diverti-me muito na grande cidade nesses dias que antecedem e sucedem ao dia das bruxas. A lua cheia em simultâneo exerce aqueles devaneios singelos levando a pequenas ou grandes emoções e nada melhor que acabar um capítulo numa altura como essa. Mesmo nostálgico com a percepção de encontrar um fim, senti o brilho e cor que guardarei com satisfação na memória.

Contudo há sempre fantasmas e assombrações da época e das eras passadas. Sem sentir pena, vemos os enganos e os desenganos, as injustiças e as alucinações.