Os últimos quinze dias de…

The show must go on– (primeira parte)

Na tentativa de colocar em dia o meu diário meliante vou fazer um pequeno apanhado do que fiz nas últimas semanas.

The show must go on foi o ponto-chave dessa primeira semana que antecedeu a labuta. Sempre às voltas com pequenas burocracias sem poder aproveitar muito eis que surgiu a oportunidade de não deixar passar o PONTI em branco, indo ao S.João com I. Jo. e N. para ver uma peça de Jérôme Bel denominada The show must go on. A peça era estranha mas interessante, talvez pelo facto de não ter um guião dito normal e mais parecer um exercício em que uma música dava o mote para os 22 actores reagirem levando à letra a letra da música.
Depois fomos encher a pança ao Maiden e I. pediu um crepe de bacalhau sem bacalhau que estava divinal.

Nessa sexta mais uma peça no Sá da Bandeira. Qual o meu espanto que quando chego há uns homens suspeitos porta em reboliço entrando e saindo. Afinal a peça havia sido adiada sem aviso e já estavam a passar As escravas do Sexo III.
Enfim o Porto 2001 ao seu melhor…
Plano B foi uma ceia com uma pasta divina.

Sábado foi dia de operação Vigo 2001 – o Reencontro Final com um elenco de respeito, mas sem a presença do Dr. P. que teve que recusar um dos papeis principais, pois estava já a rodar o jantar com as assistentes – parte II.

Eu, A. M. e J. que tomou as rédeas da nossa expedição. E como em Roma sê romano fomos ao Corte ver las beldades da perfumaria e comemos una mixta de faca e garfo como il faut. Mas como a tradição já não é o que era lá fomos jantar ao chinês e para cumulo venha daí um remate de Íris coffe. Mas a tradição cumpriu-se com a abertura das hostilidades com as tequilhas em ferro, e desta vez sem J. ter sido assediada pelo barmen. Apesar do frio a noite rapidamente esteve ao rubro e … (cenas censuradas ) … , e logo M. conseguiu arrancar um chocolatito amargo do tecto para levar um repreendida do barman e apesar das suas insistências para que a sua medalha de chocolate lhe fosse devolvida pela guapa de grande pujança pulmonar só obteve um lacónico “cojones” como resposta! … (cenas censuradas ) … e chegamos ao hotel de categoria não sem antes M. não ter arriscado que lhe dava um pontapé no pé.

De volta cedo o dia revelou-se uma interessante demonstração de que o sistema democrático ainda pode funcionar numa das eleições mais emocionantes desde o fim dos setenta, de que me lembro que estive em vários fervorosos comícios na baixa. Isso deixou-me feliz.

E eis que nessa segunda-feira retorno à velha economia.