Peaches & Kitten @celorico

Peaches & Kitten @celorico

Num volte de face de última hora, tudo se conjugou para que a dupla maravilha, eu e N. tratássemos de atender à chamada de mais um Kitten. Para mais-valia iríamos até um Portugal profundo para uns quantos concertos interessantes.

O festival CTB Dance sobe a égide da melhor cerveja do mundo era um destino crucial, mas revelou-se algo perturbadormente provinciano. Sem apelo nem agravo logo à chegada trataram-nos como vacas encaminhando-nos para um sector onde nos colocaram umas pulseiras com anilhas numa espécie de curral. Será que as organizações destes eventos classificam o seu publico como gado?
Creio que sim. A única tenda que me intereesava era a eletro-clash e supresa das supresas: era a mais pequena!

Rapidamente penetramos na mufla atraves de uma porta giratória pois os Ladytron já actuavam. Algo bizarro, apesar da banda ser bastante profissional aquilo era uma barulheira insuportável. Rapidamente apercebi-me que afinal não seria a banda, mas não podia acreditar que um dito festival, com budget principesco andasse a meter no dito evento colunas arrebentadas e técnicos de som rascas que só sabem afinar os baixos para o DJ XL Garcia. Foi muito sofrível. Quando acabaram apenas houve um encore tímido, e era notória a frustração dos Ladytron.

A seguir seria uma tal Peaches e decidimos ver o que se passava ao lado. A única porta giratória, demorou a ser ultrapassada na enchente e tremi só de pensar o que representava aquilo se houvesse azar. Só um Cró-Magnon seria capaz de aprovar aquilo para recinto de concertos.
Ao lado as tendas gigantescas estavam ainda obviamente às moscas, mas notava-se o mesmo efeito: o som era bastante mau.

De volta à nossa tenda para o tal concerto da Peaches. Colossal, frenético, animalesco, a mais perfeita simbiose entre e eletro e o punk, na força da Natureza encarnada numa mulher. A canadense Gonzales, que segundo algumas fontes é uma ex-prostituta, possui o público numa performance que tornaria Marilyn Manson, um palhaço para entreter meninos do coro de 9 anos.
Vestido-se tão rapidamente como se despia, saltando para o público e pedido comida, ao mesmo tempo que cantava algumas das mas emblemáticas canções eletro clash. Fiquei fã incondicional daquela artista tão exótica quanto excêntrica que fazia uso da sua sexualidade exuberante sem contudo chegar a um ponto de hard core. Um imaginário soft core (de mau gosto apenas), mas absolutamente genial. Pena é que pelo meio a Peaches tenha partido os suportes das agulhas, quando se atirou e se sentou na mesa, uma vez que os cretinos dos técnicos tinham já colocado os pratos do Kitten ali à mão de semear. Foi o ponto alto da história.

Depois o DJ Kitten aka João Vieira lá apareceu, agora com a simbologia Kellogs special K num fundo da Paramount Pictures. Depois de 20 minutos de cabos para cá e para lá, os trogloditas dos técnicos lá conseguiram que uma das colunas desse algo de jeito enquanto a outra apenas dava uns estalozitos. Ouviu-se e dançou-se o que se pode, mas era algo triste pensar que um festival com tanta nota tenha equipamento de som de terceira e uns jeitosos como técnicos. Voltei cedo, pois a distância ainda era grande e o som estava deplorável.

Pelo menos ficou o aviso:
Dia 20 de Setembro temos Club Kitten no Sá da Bandeira, e segundo fontes credíveis, Kitten vai-se fazer acompanhar por mulheres de arromba (banda, modelos???) .
Não vou faltar!

Deixar uma resposta