Quando o telemóvel toca

Pensei que os tormentos que passei no passado em relação ao trim-trim tinham terminado. Há uma meia dezena de anos, era eu ainda mais mocinho, uma mulher despeitada achou que fazer telefonemas anónimos durante 6 meses para minha casa, mantendo uma linha fantasma, daquelas em que ninguém responde do outro lado, era uma boa forma de me seduzir ou algo do género.
Nunca percebi o prazer de gastar dinheiro numa chamada telefónica, só para sentir alguém do outro lado e ouvir a sua voz sem se querer identificar ou falar. Acho que só os cobardes têm medo de dar a cara e acabam por ter atitudes infantis ou um pouco mentecaptas como incomodar alguém pelo telefone sem sequer lhe dirigir a palavra.

Quando digo tormentos não me refiro a aborrecimento, mas mais a ser algo diário rotineiro de algo inoportuno e masoquista.

Clockwise. Trim-Trim

Terei um appel sádico? Não foram seis meses que me chateassem. Depois da curiosidade inicial de imaginar quem esta a fazer aquilo torna-se patético assistir, dia após dia, a um degradar de orgulho e auto-estima. Não foi a única vez… E também não foi a última infelizmente…

Agora com o telemóvel a coisa voltou num formato semelhante. Já praticamente não atendo esse tipo de chamadas não identificadas ou de números estranhos. O problema é que agora me chateiam um bocadinho mais: descarregam-me a bateria do telemóvel…

Bom é caso para dizer que os meios de comunicação mudam, evoluem e tornam-se tecnologicamente mais avançados, mas as pessoas não… Acabam por ser basicamente as mesmas por dentro…

Deixar uma resposta