Quero minha paixão N.

N. fez como as ”andorinhas”. Ao antecipar a chegada do frio e bateu assas e migrou para um país quente tropical. Nada menos nada mais que o país tropical. Quando cá os termómetros batiam no zero ele aproveitava um Rio 40 graus, com a malta bacana.

Como eu, ele também sentiu a indiscritível alegria de viver na pela, algo de intraduzível por palavras que nos contagia mal pousamos pé na Terra da Vera Cruz. Parece estranho, mas uma espécie de energia positiva envolve qualquer europeu que não seja uma anta, mostrando-lhe algo que nunca sentiu antes.
Acho que li algures que o Brasil estava empregando espiritualidade, sobe a religiosidade católica europeia, misturado com o candomblé de raízes africanas, com pitadas de pajés índios devotos à natureza, e encimados por o espiritismo e muita new age para dar paladar. Não é só o calor, ou a luz que fascinam os turistas, e também a aura do vasto continente da Ordem e Progresso que irradia e contagia força espiritual.
N. veio fascinando, alegre, forte. Deixou, como eu há uns longos anos, de ser um tristonho europeu. É já um bagabundo do mundo. Quer voltar. Como eu…

We saw the light

As suas aventuras fizeram-me lembrar as minhas paixões… as mulatinhas, a euforia, o carpe diem brasuca.
Estou apaixonado de novo e não posso deixar muito tempo até rever esse amor tão lindo.
Necessito de carregar minhas forças,
meus pulmões necessitam de tem bafo de vida,
meus olhos precisam de tua beleza…