Fado da despedida

Voltei com a mesma fome
Ai como andara enganado
A quem renega o seu fado
Nem o céu lhe sabe o nome

Não achei o paraíso
E sei que tudo é pequeno
Mas no teu rosto sereno
É cada ruga um sorriso

Encontro as flores outra vez
O sol perguntou por mim
E foi sobre o meu jardim
Que uma nuvem se desfez

Na firme paz de quem ama
Acabei o meu desatino
Vejo os sonhos de menino
Á roda da minha cama

Adeus ó ilhas desertas
Velas Á raiva do vento
A cadeira em que me sento
É as minhas descobertas

Nem mesmo o teu fumo quero
Meu cachimbo de Xangai
Agora que já sou pai
No meu filho é que me espero

Ó sombra da minha sorte
Que traí com cem mulheres
Podes vir quando quiseres
Senhora da Boa Morte

Medeiros/lucas – Mar Aberto,

Far From Any Road

From the dusty mesa her looming shadow grows
Hidden in the branches of the poison creosote

She twines her spines up slowly towards the boiling sun,
And when I touched her skin, my fingers ran with blood.

In the hushing dusk, under a swollen silver moon,
I came walking with the wind to watch the cactus bloom.

A strange hunger haunted me; the looming shadows danced.
I fell down to the thorny brush and felt a trembling hand.

When the last light warms the rocks and the rattlesnakes unfold,
Mountain cats will come to drag away your bones.

And rise with me forever across the silent sand,
And the stars will be your eyes and the wind will be my hands.

Música de Handsome Family – (tema do genérico de True Detective)

Mais um ano…

Talvez o tempo fluía como sempre e o nosso envelhecimento nos induza na aparência que se esgota mais depressa. Talvez o pulsar do nosso coração seja mais lento e por isso os segundo esvoaçam mais rapidamente.

Muitos anos se passaram desde que escrevi aqui pela primeira vez. Muitas boas recordações estão aqui escritas neste diário, muitos pensamentos e medos aqui são descritos. Talvez um pouco abandonado e em repouso este baú de memórias.

Gostaria eu de lhe dar muitas passagens novas, muitos artigos recentes. Mas não é por falta de conteúdo ou vivências que se tem mantido este diário a ganhar pó, mas sim pelo procrastinar provocado de quem vive um emprego de horários rígidos. Desculpas evidentes de quem não consegue alimentar a criatividade da escrita e o escrevinhar laborioso e persistente que a caneta exige. Quem sabe para breve terei esse ócio necessário para tempos de satisfação de prosa escrita.

Crucify Your Mind

Was it a huntsman or a player
That made you pay the cost
That now assumes relaxed positions
And prostitutes your loss?
Were you tortured by your own thirst
In those pleasures that you seek
That made you Tom the curious
That makes you James the weak?

And you claim you got something going
Something you call unique
But I’ve seen your self-pity showing
As the tears roll down your cheek

Soon you know I’ll leave you
And I’ll never look behind
‘Cos I was born for the purpose
That crucifies your mind.
So con, convince your mirror
As you’ve always done before
Giving substance to shadows
Giving substance ever more.

And you assume you got something to offer
Secrets shiny and new
But how much of you is repetition
That you didn’t whisper to him too.

Crucify Your Mind, album Cold Fact de Sixto Rodriguez

Chain letter do baú

“Um amigo não é alguém que te manda «chain letters» para concretizar o sonho de ficar rico”.

Olá, o meu nome é Basmati Kasaar. Eu sofro de uma rara e mortífera doença, tenho péssimas notas na escola, sou extremamente virgem, tenho medo de ser raptado e executado por electrocussão anal e culpado de não ter continuado 50 biliões de «chain letters» recebidas por mim da parte de pessoas que realmente acreditam que, se as enviarem, permitem à pobre menina do Arkansas, de 6 anos, com o peito na parte de trás da cabeça, de juntar dinheiro suficiente para o remover, antes que os retrógrados dos pais a vendam a algum circo de atracções bizarras. Honestamente, você acredita que Bill Gates vai oferecer $1000 a cada um que envie o “seu” e-mail? Até que ponto vai a sua estupidez? Ooooh, olhe! Se eu for descendo esta página e fizer um desejo, vou conseguir levar para a cama todas as modelos da Playboy! Que grande balde de trampa!! Assim, basicamente, esta mensagem é um grande VAI-TE LIXAR para toda a gente aí fora que não tem mais nada que fazer do que envi
ar-me uma enorme quantidade de estúpidas «chain letters». Pode ser que os maléficos duendes das «chain letters» venham a minha casa e me sodomizem durante o sono por não continuar a cadeia começada por Tiberius no ano 5 A. C. e foi trazida para este país pelos árabes que ocuparam a Península Ibérica e que, se fosse continuada, entraria para Guinness como a mais longa e contínua mensagem de estupidez. Que se lixem!! Se vai enviar alguma coisa, ao menos que seja divertida. Já vi todas as “envie isto aos seus 50 melhores amigos” e toda a espalhafatosa desculpa de que um ser humano irá receber um escudo de algum omnisciente todo poderoso, se enviar aquela treta umas 90 vezes. Estou-me borrifando!! Mostre um bocadinho de inteligência e pense um pouco no que realmente está a contribuir enviando «chain letters». Na melhor das hipóteses, é a sua própria impopularidade.

OS QUATRO TIPOS DE «CHAIN LETTERS»:

«Chain Letter» nº 1:

(desça a página)

Peça um desejo!!!

Não, a sério, peça um desejo!!!

Oh, por favor! Ele nunca irão nisso!!!

Peça outra coisa!!!

Isso não, sua mente pervertida!!!

Já está a ficar com o dedo cansado?

PARE!!!!

Qual é a graça? 🙂

Espero que tenha pedido um grande desejo…

Agora, para se sentir culpado, aqui está o que vou fazer. Antes de mais nada, se não enviar isto a 5096 pessoas nos próximos 5 segundos, será violado(a) por um bode louco e atirado(a) do topo de um edifício para uma pilha de entulho. É verdade! Porque ESTA carta não é como as outras falsas.
ESTA é a VERDADEIRA!!! É verdade!!!

Veja como é: *Envie esta mensagem a 1 pessoa: Uma pessoa vai ficar lixada consigo por lhe ter enviado uma estúpida «chain letter». *Envie esta mensagem a 2-5 pessoas: 2-5 pessoas vão ficar lixadas consigo por lhes ter enviado uma estúpida «chain letter». *Envie esta mensagem a 5-10 pessoas: 5-10 pessoas vão ficar lixadas consigo por lhes ter enviado uma estúpida «chain etter», e podem formar uma conspiração contra a sua vida. *Envie esta mensagem a 10-20 pessoas: 10-20 pessoas vão ficar lixadas consigo por lhes ter enviado uma estúpida «chain letter» e, certamente, vão pôr uma bomba na sua casa. Obrigado!!!! Boa Sorte!!!

«Chain Letter» nº 2:

Olá, e obrigado por ler esta carta. Existe um rapazinho esfomeado em Baklaliviatatlaglooshen, sem braços, sem pernas, sem pais e sem cabras. A vida deste rapazinho pode ser salva, pois cada vez que você passar esta mensagem, um escudo será doado à “Fundação Rapazinho do Baklaliviatatlaglooshen, Esfomeado, Sem Braços, Sem Pernas, Sem Pais e Sem Cabras”. Ah, e não se esqueça, nós não temos maneira nenhuma de contar os e-mails enviados e isto é tudo uma grande banhada. Assim, vá em frente. Envie isto a 5 pessoas nos próximos 47 segundos. Devemos prevenir que, se por acidente, enviar a mensagem a 4 ou 6 pessoas, você morrerá instantaneamente. Mais uma vez, obrigado!!

«Chain Letter» nº 3:

Olá!! Esta carta existe desde 1897. É absolutamente incrível, porque nessa altura não existia e-mail e provavelmente também não havia tantos tristes com coisas melhores para fazer. Assim, isto funciona da seguinte maneira: Passe isto a 15.067 pessoas nos próximos 7 minutos ou algo horrível lhe vai acontecer, tal como: *História de Horror Bizarro #1: Alice caminhava pelo passeio vinda da escola, numa sexta-feira. Ela tinha recebido esta carta recentemente e ignorou-a. Tropeçou numa fenda do passeio, caiu no esgoto, foi sugada para o tubo principal cheio de trampa e saiu a voar sobre uma cascata nojenta. Não só ficou a cheirar horrivelmente como morreu. Isto Pode Acontecer Consigo!!! *História de Horror Bizarro #2: António, um rapaz de 13 anos, recebeu uma «chain letter» no seu e-mail e ignorou-a. Mais tarde, nesse dia, foi atropelado por um carro, conduzido pelo seu namorado (hei, certas pessoas dançam desta maneira). Ambos morreram e foram para o inferno e foram obri
gados a comer gatinhos adoráveis todos os dias até à eternidade. Lembre-se, você pode acabar como a Alice e o António. Basta enviar isto aos estúpidos dos seus amigos e tudo ficará bem.

«Chain Letter» nº 4:

Se você se interessa, leia este poema que escrevi. Envie-o a todos os seus amigos. Amigos Um amigo é alguém sempre ao teu lado, Um amigo é alguém que gosta de ti, mesmo que cheires a merda, o teu hálito tresande a comida de gato, Um amigo é alguém que gosta de ti, mesmo que sejas feio como um chapéu cheio de calhaus, Um amigo é alguém que te limpa depois de te vomitares todo, Um amigo é alguém que fica ao teu lado toda a noite enquanto tu choras da tua triste, triste vida, Um amigo é alguém que finge que gosta de ti, mesmo que ache que merecias ser violado por um chimpanzé louco e depois atirado a cães viciosos, Um amigo não é alguém que te manda «chain letters» para concretizar o sonho de ficar rico. Agora passe isto em frente!! Se não o fizer, nunca mais terá sexo na vida!!

Qual o sentido disto tudo? Se receber «chain letters» que o(a) deixem mal disposto(a) ou com promessas de sorte e felicidade para o resto da vida, apague-as. Se são divertidas, envie-as. Não obrigue as pessoas a sentirem-se culpadas da vida um leproso no Botswana, sem dentes, que esteve atado a um elefante morto durante 27 anos, e cujo salvamento depende dos 5 escudos por carta que ele receberá se você continuar a cadeia, senão você acabará como a Alice. Certo?

Tyrant Destroyed

I know you spent some time
From the town to the city
Looking for a life to start
And when you were fifteen
I know what you said
“I’ll never let another black boy break my heart”

You waited a decade
For me to come find you
There’s never been a chance so rare
I was just stumbling out on a prosthetic love
And there had never been someone so real

This was love
And I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head
Love, and I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head

As if it wasn’t enough just to hear you speak
They had to give you lips like that
Like all of your sadness reduced to a color
Then painted upon you
How could I forget you
And who was I to think that on a Saturday night
That you would really bike home alone
And the way that I left you
Just hanging on SundaysTwin Shadow
And fair skin boy take you home

This was love
And I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head
Love, and I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head
Love, and I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head
Love, and I was such a tyrant destroyer
As you sat sinking in my head

letra de ‘Tyrant Destroyed’ dos Twin Shadow.

Menina da Ria

Uma moça
De lá do outro lado da poça
Numa aparição transatlântica
Me encheu de elegante alegria
( Ai, Portugal, ovos moles, Aveiro )
Menina da Ria
Menina da Ria
Menina da Ria
E uma preta
( Parece que eu estou na Bahia )
Tão Linda quanto ela, dizia
No seu português lusitano:
“Pode o Caetano tirar uma foto?”
Menina da Ria
Menina da Ria
Menina da Ria
Arte Nova, um prédio art-nouveau numa margem
Em frente à marina-miragem:
Os barcos na Ria. E depois
Uma taça sobre o pubis glabro, um estudo
Nenhum descalabro se tudo
É sexo sem sexo em nós dois
Menina da Ria
Menina da Ria
Menina da Ria

Música de Caetano Veloso

A horse is not a home

Oh god I think I’m dying,
And our drinks were just poured,
Look outside someone’s waiting,
With a yellow horse

With a hole in my heart I was s’posed to ride,
In morning traffic
With a golden hand by your fortress side,
But without magic
Somebody, somebody, somebody tell me,
It wont be long
Cause a horse is not a home,
A horse is not a home

Uninvited to the play where language doesn’t hurt,
With nothing on my shirt
Sometimes I swim with you in a room that is ocean sized and clear
Not here where all I breath is smoke

With a hole in my heart I was s’posed to ride,
In morning traffic
With a golden hand by your fortress side,
But without magic
Somebody, somebody, somebody tell me,
It wont be long
Cause a horse is not a home,
A horse is not a home

With a hole in my heart I was s’posed to ride,
In morning traffic
With a golden hand by your fortress side,
But without magic
Somebody, somebody, somebody tell me,
It wont be long
Cause a horse is not a home,
A horse is not a home

Somebody, somebody, somebody tell me,
It wont be long
Cause a horse is not a home
A horse is not a home

Letra e música dos
Miike Snow