tempestade

Apesar do domingo ser chuvoso a sábado à noite foi inesquecível. Faz tempo que não fazia uma noitada com o recente ilustre dentista de Valongo, famoso por ser mulherengo e fazer muitas filhinhas. Afinal estávamos em forma fazendo lembrar os bons velhos tempos de long nights and fast girls. Mostramos estar ainda aí para as curvas apesar das exigências típicas de Caminha já obrigarem a um nível pouco próprio para a nossa idade. Está na altura de ter mais juízo!
Ego e algo mais massajado eis que chego a casa as 7 da matina num sol aborrecido de ferir os olhos, depois de galgar kilometros enquanto o diabo esfrega um olho.

Exausto contemplo um Inverno digno de um castigo divino por um sábado bem passado – um domingo de tempestade. ò tempora , ò mores.

Na semana passada sofri algumas bofetadas da vida e a véspera de feriado à noite salvou-me repondo a minha perspectiva da vivência que levo na grande cidade. As aparências iludem e essa é uma das grandes constantes da vida. Felizmente há uma coisa chamada destino que sempre nos surpreende e contra a qual nunca valeu a pena lutar. Apenas navegar à vista mas nunca esquecendo que por muito contraditório que pareça – o destino somos nós que o fazemos… Psicótico não? Bom a vida não é “bem preto no branco”. Está cheia de tons cinza…

J., M. e o seu primo tiveram umas férias galegas embora chuvosas. Mesmo assim senti inveja por aqueles tempos de lazer, na borga de anos anteriores.

Vi de novo minha velha amiga colorida dos Verões de praia. Está diferente e muito carente… Mais mulher e mais serena. Conversamos um bom par de horas e quase caía em tentação graças aos seus dotes. Prefiro para já uma amizade bem a preto e branco pois os problemas que me trouxe no passado foram um osso duro de roer. Só de lembrar até me faz dores de cabeça. Isso deixou-me receoso, e felizmente fugi para a tal noite lá do norte que se vem tornando hábito de ser cheia de surpresas. Algumas boas como ontem e algumas más…