Tempestades Internas – II

2 – Na corda bamba

um receio que se vai vencer

Tenho que aprender a não sucumbir com alguma facilidade à pressões e sentir-me como se estivesse numa corda-bamba que abana, perdendo o equilíbrio que me sustenta à vida.

Culpo-me por não ter essa experiência, essa capacidade de me equilibrar quando o vento sopra mais forte e temendo a queda, forçando movimentos mais bruscos e perigosos de pânico, movidos a uma estupidez irreflectida.

Num futuro próximo vou com mais confiança e certeza, ignorar o abismo que se estende debaixo do arame, seguindo pé ante pé, sem pestanejar, seguro que nenhum vento, seja qual for a sua intensidade, não me fará precipitar numa queda fatal.

2 opiniões sobre “Tempestades Internas – II”

  1. como na vida a arte reflete o risco, o abismo pode
    até ameaçar mas o tédio é que de fato mata, o que
    é tão seguro e previsível que tira o ar, o movimento, a liberdade até de cair…rosa

  2. desliza de mansinho no arame, dá o 1º passo, arranca, vai, mesmo tendo o abismo por baixo dos pés e, se caires, deixa-te ir, e goza a queda, porque da próxima vez será diferente, será melhor e voltarás a cair de novo ;o)

Deixar uma resposta