Uma casa na pradaria

Reserva-me o direito de um fim-de-semana que me permitisse algum descanso e pacatez. Talvez conseguisse meditar e por em prática alguns ensinamentos. Mas nada disso sucedeu. Logo na sexta-feira descobri que ambicionava antes, e de forma ávida, toda e qualquer folia a que pudesse deitar as mãos, mesmo que, com resultados quase catastróficos.

Um jantar com Inspector P. e N. revelou-se um repasto revivalista e simultaneamente enternecedor, devidamente regado a um tinto único que me colocou em dois tempos na lista de quem tem lugar reservado no purgatório. Cheguei a casa já a chuva encobria um sol demasiado alto para que não me sentisse envergonhado, repetindo mentalmente que o meu juízo é algo exageradamente volátil.

Na pacatez da ressaca, vislumbramos que a euforia da noite anterior, serve de um merecido tubo de escape, mas que não perdoa em termos de desgaste de motor. O uso intensivo de aditivos na combustão pode causar danos à máquina que nem um mecânico credenciado possa reparar. Felizmente o Mestre fez-me uma visita para compensar a nostalgia de uma praia chuvosa, e trouxe-me a sua companhia sempre bem-vinda. Perdemos ainda alguns neurónios no nosso envolvente vício e pusemos o crochet em dia. A insistência da pluviosidade intermitente e o meu sono impediram qualquer sortida mais atrevida, ficando-me pelos ares costeiros meios desertos, numa pacata companhia de outros tempos.

Dormi até não poder mais e Domingo, nenhum dos meus planos se poderia concretizar, recheado de companhia, visitas, amizades, em ternos momentos de velocidade bem lenta, reflexivos e relaxantes, já sob um Sol generoso . O isolamento que me propunha não existiu, e muito provavelmente não voltarei a ter um espaço languido antes que o Verão vá a sepultar.

Estranho é assistir embevecido ao pequeno baby boom do meu circulo de amigos. Acho que os meus olhos brilharam varias vezes perante as lindas filhotas do Inspector P. e do Bi. Enternecem-me as crianças pequenas, creio que estou a desenvolver inconscientemente um instinto paternal exacerbado. Creio que o meu relógio biológico está-me a dizer que são horas de assentar, talvez tirar a sela do cavalo e vender o Colt, mais o cinturão de pistoleiro e as esporas da praxe das texanas. Talvez seja hora de cortejar aquela jovem moça de familia em vez das visitas às rameiras enrugadas do Salon, e criar uma família. Talvez seja mesmo chegado o tempo de arranjar a tal bonita casa na pradaria…
Ou talvez não. Talvez eu tenha que ser um pistoleiro veterano, deambulando entre um deserto de cactos e cascavéis até que uma bala com destino traçado me apanhe.