Uma questão de fé

Criar uma criança nesta época é acto de fé. Não é possível de forma racional fundamentar o milagre de trazer um novo ser a este mundo, numa perspectiva conjuntural de declínio civilizacional.

A crise do petróleo, o espectro da fome, a crise financeira do subprime, a ameaça da gripe das aves, o aquecimento global, entre outros, são cenários reais demasiadamente sérios e nefastos quando se medita num paradigma tão simples que se coloca a qualquer progenitor: que futuro vão ter os meus rebentos? A incerteza de futuro e as perspectivas sombrias das próximas décadas não auguram nada de promissor.

Mesmo com horizontes negros, coloca-se o sonho individual de constituir família e descendência, de se amar, de se tentar ser feliz. E repensando a história, quase todos os momentos de 6000 anos de civilização documentada, sempre existiram sombras, apocalipses, crises. E não foi por isso que o ser humano deixou de ter que viessem momentos melhores no futuro para os seus.

Deixar uma resposta