Vintage

Após um longo período de procrastinação, de algumas atribulações e peripécias, volto a escrever neste diário. Não quero deixar de tentar esboçar alguns textos e relatos desta vivencia de meliante encartado, apesar de alguma preguiça e manifesta falta de tempo.

Não é pelo começar do ano ou pelo culminar do Inverno que interrompo o meu silêncio voluntário. Trata-se apenas de uma coincidência temporal, sem as influências tantas vezes palermas das resoluções de ano novo. Move-me talvez a necessidade de desabafar, de compartilhar com todos e ao mesmo tempo com ninguém em particular, nada em concreto. Tão só a necessidade de comunicar de forma intimista e quem sabe também a necessidade de estabelecer uma caixa do tempo, que daqui a uns anos vou desenterrar. Nessa caixa do tempo vou colocando pequenas nuances e chaves secretas para os meus pensamentos, um backup para as minhas memórias inconsequentes, para que num futuro remoto, vejam a luz do dia salvas do esquecimento.

Não sei se viajarão no tempo que tudo emudece e refina a essência. Serão com sorte pensamentos colocados numa garrafeira, amadurecendo para que num momento ideal sejam abertos e servidos em copos de cristal, com esperança que a reserva se tenha tornado um vintage. Com sorte talvez. E tudo depende da colheita. Esperemos que seja boa…

Deixar uma resposta