Virar páginas

Gosto de virar páginas. É sempre um marco importante das nossas vidas virar uma determinada página, dar um assunto por encerrado e iniciar um outro processo de vivência no nosso caminho rumo à (i)mortalidade.

Vejo-me a virar a página com bastante suavidade depois de sentir que nunca mais estava a terminar a leitura daquele texto, que embora belo, estava demasiado comprido. Por isso os meus dedos demoravam a pousar no canto da folha para roçar e mudar de página. Agora inicio uma nova leitura, num texto que parece ser mais fluído e interessante. Novas aventuras e sentidos atentos que serão embalados pelo desenrolar de uma nova história, numa leitura renovada.

Foi com um misto de tristeza e satisfação que recebi a notícia que Pete retornará ao seu país. Portugal foi-lhe ingrato, mas ele admite que o facto de não se ter esforçado mais para falar português quebrou as hipóteses de se integrar neste país. Isso, e a atitude e certas portuguesas típicas que gostam de manter romances e esperanças dúbias, sem interesse em concretizar o esforço de sedução… Maus tratos aparte, Pete parte e deixa saudades.

Fico com pena de não ter estado mais vezes com esse amigo e brilhante astrólogo britânico. Mas fazer-lhe-á bem fugir deste país onde “nada funciona, ninguém chega às horas, onde há muita corrupção, onde os alunos são mal educados“, onde vai sentir falta “das pessoas honestas e verdadeiramente genuínas“. Para um inglês sobreviver em Portugal é algo realmente complicado. Pete vira também a sua página, e de certeza estará mais feliz back in London.

Deixar uma resposta