I am slowing down
As the years go by
I am sinking
So I trick myself
Like everybody else
The secrets I hide
Twist me inside
They make me weaker
So I trick myself
Like everybody else
I crouch in fear and wait
I’ll never feel again…
If only I could remember
Anything at all

Robert Smith

Música The Cure

Estive internado no . Nessa altura ofereceram-me um pequeno , daqueles clássicos intemporais como entretém para poder matar as horas na convalescença. O livro era A Morte de Ivan Ilitch de Liev Tolstói que eu imperdoavelmente nunca tinha lido.

Talvez não seria uma boa opção de leitura, para alguém que está doente, mas mesmo assim deixei-me a envolver nessa obra literária e na sua história de um dos maiores nomes da literatura russa. A história relata o desenlace inalterável da morte, que um burguês tem que suportar de uma forma particularmente estranha e quase assustadora. O pobre personagem principal é um moribundo, que sem que o é, vive num pesadelo onde a doença o vai dominando aos poucos até o cobrir num manto de morte.

Numa cama de hospital, lendo tal obra, não pude deixar de imaginar tal realidade, esse desconforto aterrador de lutar contra a inevitável morte, que tal como no livro, podia-se-ia estar a passar paredes meias comigo.  Alguém, perto de mim, poderia estar tal como a personagem principal do livro, a ter uma luta pela sobrevivência e contra a dor, sem qualquer sucesso como se fosse uma via sacra. Esse de ter um vizinho real, vivendo nessas circunstancias, foi-me muito ingrato e  de certo modo temporário muito desanimador.

Sempre vi os hospitais, como locais de esperança e de vida, não como zonas de desespero e morte. Eu salvei-me num hospital quando era adolescente, lutei pela vida e sobrevivi e dessa forma, encarei sempre os hospitais como locais de luta pela sobrevivência.

Com essa leitura não pude deixar de meditar, tal como me recordei da tradição budista, de se ter a lembrança que a morte é um evento que está presente ao virar da esquina. O Maranasati como meditação procura estabelecer um estado de espírito, em que se vive sabendo que a morte não é um evento eventual, mas uma certeza inescapável que acontecerá a qualquer altura, seja no próximo segundo ou daqui a cinquenta anos. E por isso esse é mais intenso e consciente, pois se interioriza como é passageira a nossa existência neste plano temporal.

E foi assim que um livro escrito à 135 anos, na sua actualidade me chamou a atenção que a vida não se deve viver em função de um propósito meramente consumista e vazio, mas sim repleta de propósito intrínseco. Serviu para algo a minha doença, no mínimo para me relembrar dessa maneira de ser tão importante.

Apercebi-me com alguma comoção que o terceiro calhau a contar do Sol completou 20 orbitas em redor do mesmo desde que comecei a escrever aqui . Vinte anos é um número redondo, talvez redondo demais para se deixar passar em branco.

Estava eu na grande cidade e recordo-me como alimentava desencantos, e aspirações a milhares de eventos que nunca que se cumpririam e tive a necessidade de ter um elo que me ligasse aos meus amigos e colegas na minha cidade. Existia a necessidade egocêntrica de afirmar que eu ainda existo, de partilha de vivências e até algum exibicionismo. E foi nesse registo que embarquei na escrita do Diário de um meliante.

Confesso que batismo deste blog/díario não foi muito feliz, em primeiro lugar porque eu nunca padeci de psicoses e em segundo lugar porque de meliante tinha muito pouco. No enredo da época, onde a internet era um campo de anonimato e se vivia a digital que o 11 de Setembro desse ano veio por fim, talvez apimentar o titulo do blog me desse o distanciamento para aliviar algum pudor ou timidez na linguagem e pelo menos isso foi conseguido.

Vinte anos passados recordo com nostalgia aquela data, mesmo que fosse um período da minha vida, carregado de emoções fortes e desencantamentos de um adulto. À luz do que sei hoje posso afirmar que todo aquele histerismo fazia parte dos conturbados anos que se seguiriam. Por isso me confesso: muitas das razões que me compeliram para escrever o Psicótico resultavam de uma enorme interna e incapacidade para gerir o que eu desejava e o que estava disposto a abdicar para obter o que queria, quer na carreira, quer ma vida amorosa. E não foi fácil, manter como um bom malabarista todas as bolas no ar, tentando manter todas as encruzilhadas do destino em aberto sem me comprometer com uma direção definitiva que só existia na minha mente histérica. Claro que as bolas acabariam por cair uma por uma mas felizmente mantive a minha sanidade a custo de algumas tristezas e desilusões.

Volvidos vinte anos encontro a satisfação de ter tido a sorte de ter atingido um dos principais trofeus a que me tinha proposto: a mulher pela qual eu era secretamente apaixonado e que eu desesperadamente tentava chamar a atenção (inclusivemente escrevendo aqui) está agora casada comigo. Talvez não haja maior vitória sobre o destino que o facto de ter deambulado e batido com a cabeça nas paredes, a minha vida amorosa é recompensada com uma medalha de ouro. A família que constituí é o meu mais precioso tesouro que tinha desejado há exatamente 20 anos e presumo que poucos podem afirmar o mesmo.

Mesmo que algumas personagens, apenas referidas pelas suas iniciais tenham sumido da minha lista de contactos, apraz-me dizer que a esmagadora maioria faz parte do meu cotidiano. Algumas estão perto do meu , espalhadas pelo mundo mas dando sempre o pulsar da amizade que só se vai desvanecer na campa. A vida me é assim suave, felizmente.

Mesmo que a minha vida profissional não seja um mar de rosas, e que não esteja nem perto do que tinha imaginado há vinte anos, não me posso queixar muito. Mesmo que eu tenha envelhecido há ainda alguns bons resquícios de juventude e a maturidade não tem estragado em demasia o meu espirito sonhador. Ao fim ao cabo tudo é transiente e estou feliz e em paz.

Parabéns Psicótico.