Julho 10, 2002

Parte IV- A batalha do alho porro

Os estragos acumulam-se ao longo das semanas. Tuda a minha ” TO DO LIST” privada está já pendurada e acumulado dezenas de entradas. Contudo se a preguça e o lamber das feridas me paralisam, não consigo dizer não a fazer parte de mais desacatos. A semana foi uma espécie de vazio existencial, como uma ponte entre duas margens.
Tentativas de apanhar e afins. Sábado à recatado embora as meninas estivessem cheias de folia. E o mexicano estava uma cantina.

J. fazia anos e fiz um pequeno estágio no que se antevia uma grande . Mas nunca me poderia passar pela cabeça que pelo terceiro consecutivo teria uma das melhores noites da minha , justamente na doida mais longo.
Ofereci o holy grall a J. e fomos ao chinês.

Logo Car. e a vianense Lia lideraram a quimera desde o Amial até Miragaia onde adquirimos aquelas belas armas de guerra chamadas Alhos Porros. Rapidamente eu A. J. e M. formamos uma falange capaz de trespassar qualquer moçoila mais engraçada, chegando mesmo a acatar as de Car. qual Alexandre Magno. Lia sorria extasiada com os hábitos latinos e os nossos esforóos patéticos para levantar um balão mostraram-se realmente patéticos. Pareciamos canalha, mas foi realmente divertido.

A batalha durou e os heróis que arduamente se bateram não bateram em retirada antes do bailarico dar sinais do seu fim. N. e Jo. também não faltaram, já como reincidentes. Até Chi e JB vieram de rompante.

Quanto ao S.João só me resta esperar pelo próximo . Tou viciado.

Os danos causados foram imensos e a mente mostrou-se corrompida. Felizmente até deu para ver o amanhecer no Douro, ali bem por detrás do Voice num daqueles sítios secretos que a cidade tem. Foi refrescante e enternecedor.