Maio 26, 2003

Não me posso queixar de aborrecimento ou tédio. Desde quarta-feira que não sei o que é ter um serão calmo, proporcionando uma aprazível longa de sono. Em grosso modo estou a sentir que este de , ainda tem estamina para dar mais uma dezena de voltas ao hipódromo a todo-o-galope, e que afinal a prova pode não ser de velocidade mas sim de resistência.

Positivamente não estou letárgico ou, pelo contrário histérico, para sentir que a minha vida deveria permanecer calma.
Há alturas da vida que temos que nos desgastar, nem que seja por uma causa vã ou demasiado passageira, apenas porque sentimos que há a necessidade de aproveitar os momentos tal qual eles esbarram contra nós.

Quarta-feira, as celebrações com I., quinta-feira estive com P. na Ribeira. Sexta-feira jantei com N. num restaurante a imitar fracamente a gastronomia e restauração da terra da Vera Cruz. Mais tarde, e já com algumas saudosas caipirinhas fomos até ao rio, onde encontramos as J.s num sitio chamado Zoo. I. cortou-se, o que me irritou um pouco, talvez por não ter mais paciência. O resto da foi bastante comprida, e acabou no talho a abarrotar de gente, e eu já devidamente encopado.

Sábado foi um dia sisudo, tentando descansar, mas a noite levou-me ao Matrix Reloded com N. J. e I. Para não ser escasso o meu , larguei a brigada do reumático e segui, apesar de exausto, para uma sessão de D´n´B com o Bricolage no H.C. onde dancei e trotei até tarde. a Invicta daquele ponto de vista sobranceiro ao Douro, bem do lado oposto, é um dos quadros mais perfeitos de luz e enredo de formas de uma cidade que sobe uma encosta e se reflecte no Rio. Que parvoíce tentarem colocar umas pseudo-docas lá.
Para carimbar a noite em grande só mesmo vencer as estatísticas e ter que bufar ao balão, algo que eu nunca tinha feito antes. resultado: 0,00! (se fossem 24 horas antes, nem o meu poderosíssimo anjo-da-guarda me valia…)

Last but not leastt, foi de Sol, e de assistir às contabilidades do Inspector P. sobre a sua viagem à abençoada cidade de Sevilha. À noite, apesar dos abalos sísmicos que as minhas pestanas produziam, foi com todo prazer que me reencontrei com a minha mana, que já não via desde o Natal. Com R., F. e Chi. foi uma conversa de recordação, bastante animada, falando do Passado mas também no Futuro, das pequenas e grandes coisas singelas da vida.

E é assim que eu tenho deixado algumas horas por dormir. Afinal posso dormir tudo o que quiser quando estiver 7 palmos debaixo de terra…

Não sou uma pessoa muito influenciada pela melodias da moda. Aprecio demasiadamente a para não me sujeitar a histerias melódicas do momento. Contudo de vez em quando alguma canção pode abrir uma memória e uma brecha no espirito a ponto de nos enfeitiçar. Como um canto de sereia divinal que não podemos resistir. Provavelmente fiquei debaixo do seu encanto, quando acordei ao seu som logo após a minha chegada da América do e julguei estar ainda a milhares de quilómetros de distancia.

Este tipo melodias podem ser como uma mulher belíssima que toma conta de todos os nossos pensamentos e que desejamos ardentemente conhecer no sentido bíblico, mas que após chegarmos a vias de facto deixa de ter qualquer interesse. Tal aconteceu com o anúncio televisivo da Optimus onde um conjunto de caras sorridentes inundadas de luz de um amanhecer forte, que publicitam os serviços multimédia da chamada 3G de serviços celulares.

Após vários dias de total desespero finalmente descobri os autores da faixa sonora do anúncio. Tratam-se dos dinamarqueses Mew, e a em causa é um bem baptizado tema, denominado Conforting Sounds. Provavelmente vou ouvi-lo até a exaustão e dentro de dois meses, quando invadir o top ten nacional vou ser submetido à tortura diária de ser bombardeado por um disco já muito riscado na minha mente.

Na semana passada vi finalmente andorinhas a esvoaçar. Nada como essas aves para simbolizarem uma nova etapa do retorno anual, da sucessão das estação. As andorinhas são para mim o mais perfeito dos arautos de que a Primavera tomou com força o seu lugar e que vai florir e expandir-se em nova em breve.

Todos aqueles voos rápidos e picados, serpenteando em mil direcções, com voos rasantes e abrutos, mostram toda a energia, alegria e ânsia com que a nova renovação anual da se faz . Ao esses seres tão frágeis, tão felizes, com um piar tão agitado e suave, faz-me uma calma e profundas. Fiquei .