Maio 30, 2003

Sobranceiro numa sombra perdida,
Não encontro um equinócio nem solstício.
Num jardim onde deambula uma alma ,
Sem rosas nem jasmins, sem fim nem princípio.

Nessa ausência dolorosa, partilho o medo,
Esqueço que te desejo e busco loucamente
Para além de um limbo apático sem credo,
Numa crença de me fugires amargamente.

Conquista-me a ;
Corta minhas raízes profundas;
Bebe da minha verdade!

Realiza meus ;
Levanta minhas mãos prostradas;
Dá-me doces beijos!

  1. Afirma Pereira“,de Antonio Tabucchi – estou a gostar ler aos poucos este sobre uma Lisboa salazarenta, mas vou lendo aos poucos.
  2. Parapsicologia – subversão infinita?” da C.L.A.P Portugal. Recomendado e emprestado pela S. e que estou a saborear deleitado.
  3. Guia de Meditação
  4. O Amante de Lady Chatterley
  5. Escala Evolutiva – sistema de Avaliação e Hierarquia da Universidade de Yôga