Dia-a-dia

Acordei numa nova casa. Estranho. Mas muito pouco confortavel para já.

Cada vez está mais estranha a grande cidade. Como me sinto um alien. Será uma questão de hábito?

Como é costume as 2ªs são terriveis e duras.
Como se não fosse suficiente hoje é dia da grande inauguração com Ma. e E. já a tratarem de limpar o pó. Conheci Bob mas este não me ligou nenhuma, pois estava a sofucar de calor e transpirando violentamente… pobre Bob.

F. estava particularmente bem disposta esta manhã… mau sinal!

O fim-de-semana foi repleto de coisas boas e também de algumas tristezas. Mas isso faz parte da vida de um psicótico normal

Como estava a espera ninguèm do Passado teve a ombridade de fazer o que tinha prometido… continuo à espera do tal telefonema.

Ontem estive com Marie. Fazia quase 8 anos que não via a minha primita francesa. Ça va?
Ela e o namorado, um gaulês de gema foram uma companhia muito agradável, apesar do Bertrand não entender patavina do português. Mas afinal as sardinhas assadas são uma linguagem universal…

É estranho como o tempo às altera alguns traços às pessoas. As expressões físicas e a personalidade mantêm-se.

Conto já as horas … A grande cidade vai dar a vez a um fim-de-semana que promete.

Viva la vita!

Por vezes há mentes puras e mentes imundas. As mentes puras são raras.
Sofrem. Sofrem por si e pelos outros.
Lutam. São sensíveis e perspicazes.
São espírito. Pensam. Buscam a sua felicidade e das dos outros. Querem dar mais do que recebem.

Depois existem as mentes imundas.
Só pensam em si. São materiais e egoístas. A minha roupa! A minha casa! O meu carro! Os meus livros! A minha viagem! A minha , o meu ,nunca o nosso , nunca dar.
São patéticas. Não entendem . São incapazes de sentir a dor dos outros. Julgam-se superiores.
Calcam os outros sem piedade. Ignoram o sofrimento dos outros. São fúteis. São superficiais. São servis. São lambe-botas e dessimuladas. Vivem de aparências.

O mar de gente que pulula pelas ruas da grande cidade deixa-me cada vez mais indiferente. Ainda ontem não sequer me espantei com uma Drag Queen que vi no metro, e que exibia quatro piercings faciais e vestia uma camisola rosa florescente bem justa. É já quase natural ver gente gira e/ou exótica e deixo o meu provincianismo de lado. As grandes cidades tem a característica estranha de assimilarem e banalizarem qualquer excentricidade a ponto de ser a coisa mais natural do mundo. Qualquer um pode passar despercebido. Mas por outro lado há o indigente na esquina que dorme debaixo de um cartão e é ignorado como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Ambos são efeitos secundários do formigueiro em larga escala que é esta cidade. Não gosto de ser formiga.

E. e Ma. estão felizes e foi bom estar com eles. telefonei a M. e soube que está a tentar cativar uma amiga. Faz essa!, como diria o meu irmão.
Falei com X. e fiquei contente pois é sempre optimo ouvir uma palavra amiga. X. acaba sempre por me dar alento
S. tá em mudanças. Tenho pena de falar pouco com S. ultimamente.